Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Brasil foi segundo mais afetado pela crise entre países dos Brics, diz CNI

Produção industrial brasileira recuou 2,5% entre setembro de 2008 e junho deste ano 

Eduardo Rodrigues, da Agência Estado,

31 de agosto de 2010 | 11h42

O Brasil foi o segundo país dentre os chamados Brics (que ainda incluem Rússia, Índia e China) a ser mais afetado pela crise financeira internacional, de acordo com estudo divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta terça-feira, 31. Segundo o documento Indústria Brasileira em Foco, a produção industrial brasileira recuou 2,5% entre setembro de 2008 e junho deste ano, impacto bem menor do que registrado na indústria russa, que teve queda de 32,1% no mesmo período.

Já os setores industriais da Índia e da China não foram afetados negativamente pela crise, uma vez que registraram crescimentos de 14,7% e 24,3%, respectivamente, desde o agravamento da turbulência global. Para a CNI, portanto, a retomada da atividade industrial nos Brics está sendo diferenciada.

A entidade destaca que, apesar do atual ritmo similar de crescimento das indústrias brasileira e indiana, o impacto no Brasil foi maior no fim de 2008, ocasionando essa diferença no acumulado desde então.

Em nota, o economista da CNI Marcelo de Ávila considera que a queda mais acentuada na economia russa está relacionada com a alta insegurança jurídica no país, enquanto o bom desempenho chinês é reflexo da adoção do câmbio desvalorizado, que preserva as exportações do gigante asiático.

O economista também ressalta que enquanto vários países desenvolvidos ainda patinam na crise, China, Índia e Brasil estão liderando o crescimento global. "Essas três economias serão preponderantes no cenário futuro, não só pelo ritmo mais forte de crescimento, mas pela robustez que têm adquirido no cenário econômico mundial", completa. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.