Kai Pfaffenbach/Reuters
Kai Pfaffenbach/Reuters

Brasil foi país do G-20 que mais avançou no combate a 'laranjas' no sistema financeiro

Estudo da entidade Transparência Internacional destaca os avanços do Brasil em termos de legislação, mas o desafio será o de implementação

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2018 | 05h11

GENEBRA - No combate à corrupção e aos "laranjas" no sistema financeiro, o Brasil foi o país do G-20 que mais evoluiu nos últimos dois anos no que se refere aos mecanismos para identificar os beneficiários de contas. Essa é a conclusão de um novo estudo da entidade Transparência Internacional que destaca os avanços do Brasil em termos de legislação. O desafio, porém, será o de sua implementação. 

O levantamento publicado nesta quinta-feira, 19, avalia a capacidade das autoridades em identificar depósitos cujos reais correntistas estejam camuflados na condição de beneficiário. Segundo a Transparência Internacional, um total de US$ 2 trilhões são movimentados todo ano em esquemas de lavagem de dinheiro - parte significativa desse montante passa por empresas que camuflam seus ativos por meio de contas em que aparecem apenas como beneficiários.

Trata-se de uma prática análoga à que envolveu o ex presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que consta como beneficiário de quatro contas fora do Brasil em um esquema que o Ministério Público da Suíça trata como forma de tentar esconder o nome do correntista.

+ Corrupção no mundo movimenta mais de um 'Brasil' por ano

Para a Transparência Internacional, a dificuldade no combate à evasão fiscal e à lavagem de dinheiro é a capacidade das autoridades de identificar o real dono de ativos numa conta. 

Um exemplo ainda usado pela entidade em seu novo estudo é o da Odebrecht. Graças a contas opacas e a incapacidade de saber os reais donos de contas, a empresa conseguiu pagar US$788 milhões em propinas em doze países diferentes. 

Nesse quesito, o Brasil dá sinais de melhorias importantes. Em 2015, quando a entidade realizou seu primeiro estudo sobre os beneficiários finais de contas, a constatação foi de que o Brasil estava entre os piores na classificação geral, ao lado da China. Dois anos depois, o país passou de ter uma regulação "fraca" para "forte", se equiparando à situação de Alemanha, Noruega ou Japão.

+ ‘Laranjas’ em doação de imóveis a Lula registraram dados distintos sobre R$ 800 mil

O salto ocorreu principalmente por conta da normativa da Receita Federal regulando o CNPJ. "O Brasil registrou o maior avanço entre todos os países do G-20, fechando diversos buracos (em sua legislação) desde 2015, quando era considerado que tinha um arcabouço legal fraco", disse a entidade. "O Brasil é o único país não-europeu a estabelecer um registro central de beneficiários finais, mantido pelas autoridades fiscais e deve ser implementado até o final de 2018", indicou. "Resta saber quais informações sobre beneficiários finais serão disponíveis, uma vez que as empresas tenham informado", completou.

Apesar dos avanços, a Transparência Internacional aponta que o Brasil é um dos oito países do G-20 que não realizou uma avaliação sobre os riscos de lavagem de dinheiro nos últimos seis anos.  

A entidade também questiona as "mensagens mistas" que o Brasil está enviando no que se refere à regulação de instituições financeiras. 

+ Empresa laranja recebeu da Fundação Butantã fortuna 26 mil vezes maior que seu capital social

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.