coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Brasil foi país que menos cresceu no 2º trimestre

O crescimento da economia brasileira no segundo trimestre de 2006 deixa o Brasil na posição de país com o pior desempenho entre os 28 que já divulgaram esses resultados, indica uma comparação feita com base em dados compilados pela revista Economist.Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Produto Interno Bruto (PIB) aumentou 1,2% no segundo trimestre de 2006, quando comparado ao mesmo período de 2005. Na comparação com o primeiro trimestre do ano, o resultado foi mais baixo, de 0,5%.A Economist reúne dados de emergentes - categoria na qual o crescimento, geralmente, é mais elevado -, mas também de países desenvolvidos, que costumam apresentar taxas de evolução do PIB mais baixas por causa do tamanho de suas economias.Para Justine Thody, chefe do grupo de analistas de América Latina da Economist Intelligence Unit (EIU), com o resultado desta quinta-feira, o crescimento que a consultoria está projetando para o Brasil neste ano, de 3,4%, parece mais difícil de ser atingido.ContrastePara o ano de 2006, o governo brasileiro prevê crescimento entre 4% e 4,5%. Analistas, no entanto, fazem, como a EIU, projeções mais modestas, e muitos já começam a rever para baixo suas previsões."O resultado do segundo semestre é, especialmente, decepcionante porque esperava-se que o ciclo de afrouxamente monetário iniciado em setembro de 2005 galvanizasse investimentos", disse Thody.Ela explica que são exatamente as baixas taxas de investimento no Brasil que estão por trás do desempenho mais fraco do país em relação aos emergentes.Entre os 27 países considerados emergentes (de acordo com a lista da revista Economist), 13, incluindo o Brasil, já divulgaram o resultado do segundo trimestre.A África do Sul, com crescimento de 3,6% no período, é o país que está mais perto do fraco crescimento brasileiro. Ainda assim, o resultado da economia sul-africana é mais do que duas vezes superior ao da economia brasileira. A Hungria também teve crescimento de 3,6% no período.A China, que enfrenta o risco de superaquecimento de sua economia, continua sendo o destaque positivo na comparação. Cresceu 11,3% no segundo trimestre em comparação com o mesmo período do ano anterior.Entre os países desenvolvidos, o Brasil também está na lanterninha. Também com base em uma lista compilada pela revista Economist, o crescimento brasileiro de 1,2% é o menor de todos, quando comparado ao dos 13 países desenvolvidos que já divulgaram o resultado do PIB no segundo trimestre do ano.No mundo desenvolvido, o desempenho mais próximo do brasileiro é o italiano. O país cresceu apenas 1,5% no mesmo tipo de comparação (segundo trimestre com mesmo período de 2005).Os Estados Unidos revisaram o resultado do PIB para o período. A economia americana cresceu 2,9% em relação ao primeiro trimestre.

Agencia Estado,

31 de agosto de 2006 | 16h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.