Brasil Foods negocia compra de ativos da Doux Frangosul

Em comunicado, empresa informou que aquisição de operações em Caixas do Sul não envolve marcas

SUZANA INHESTA, O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2011 | 03h04

A BRF Brasil Foods está negociando a compra dos ativos de produção e abate de suínos da Doux Frangosul em Caxias do Sul (RS). A empresa enviou ontem um comunicado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), mas não deu detalhes. "Informaremos ao mercado imediatamente de qualquer fato concreto", disse a empresa.

O vice-presidente de Finanças, Administração e Relações com Investidores, Leopoldo Viriato Saboya, fez questão de frisar na nota que a negociação "não envolve a aquisição de qualquer marca".

Para aprovar a fusão de Sadia e Perdigão no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), a BRF se comprometeu a vender um bloco de ativos, suspender as marcas Perdigão e Batavo em alguns produtos e a não adquirir novas marcas.

O acordo com o Cade, no entanto, não proíbe a empresa de comprar ou construir novas fábricas no País. O entendimento da autoridade antitruste é que um aumento de oferta de produtos ajuda a reduzir os preços.

A Doux Frangosul, empresa francesa com sede em Montenegro (RS) e dez unidades no Brasil, vem passando por um período de crise no País.

Desde o início de 2009, a companhia atrasa o pagamento aos cerca de 2,2 mil criadores integrados. A Doux já atribuiu a inadimplência à crise mundial, que promoveu uma queda brusca das exportações, que representam cerca de 75% do faturamento.

Em reunião esta semana com a Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Rio Grande do Sul (Fetag-RS), a empresa apresentou novo cronograma de pagamentos aos integrados para tentar quitar totalmente as dívidas nos primeiros dias de outubro, novembro e dezembro.

Em junho do ano passado, a Doux vendeu seus ativos de peru à Marfrig Alimentos por R$ 65 milhões. A empresa também tem dois abatedouros de aves no Rio Grande do Sul, em Montenegro e Passo Fundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.