Brasil gasta 1% do PIB ao ano com reservas

A manutenção das reservas internacionais do Brasil entre 1999 e 2007 custou aos cofres públicos o equivalente a 1% do Produto Interno Bruto (PIB) do País por ano. O cálculo é do Banco de Compensações Internacionais (BIS), o banco central dos bancos centrais. Em seu relatório trimestral, divulgado ontem, a instituição destaca que os mercados emergentes já acumulam reservas de US$ 4,5 trilhões e defende maior diversificação na composição das reservas, incluindo a criação de fundos soberanos para investir os recursos. Segundo o BIS, presidido por Malcolm Knight,o custo das reservas no Brasil "deve ser atribuído às altas taxas de juros no País, assim como a valorização substancial do real desde 2003". Pelos cálculos da entidade, cada vez que o real valoriza, o BC perde em suas reservas. Isso porque o valor da reserva em real acaba diminuindo. "Qualquer valorização da moeda local ante a moeda que compõe a reserva reduz o valor da reserva", afirma o BIS. A taxa de juros encarece o valor que o próprio BC precisa obter para conseguir reais para comprar dólares. As reservas em moeda estrangeira atingiram US$ 195 bilhões em abril e, em maio, devem superar os US$ 200 bilhões. Em pouco mais de um ano, as reservas duplicaram com as compras feitas pelo Banco Central (BC). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.