Nilton Fukuda/Estadão - 28/5/2015
Nilton Fukuda/Estadão - 28/5/2015

balanço

Ouro é o investimento com melhor retorno no 1º semestre. Bolsa, o pior

Com 61 mil novos postos em fevereiro, País fecha o bimestre no azul pela 1ª vez em quatro anos

Resultado foi puxado pelo setor de serviços e pela indústria; saldo em 12 meses até fevereiro ficou positivo em 102.494 vagas com carteira assinada

Fernando Nakagawa, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2018 | 16h06

BRASÍLIA - O Brasil registrou a criação de 61.188 novas vagas com carteira assinada em fevereiro de 2018, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgadas nesta sexta-feira pelo Ministério do Trabalho. O resultado é o melhor para o mês desde 2014, quando foram criadas 260.823 vagas. Em fevereiro de 2017, foram criados 35.612 postos de trabalho.

O resultado de fevereiro ficou abaixo do intervalo de 15 estimativas coletadas pelo Projeções Broadcast, que variava entre criação de 90 mil a 170 mil postos de trabalho com carteira assinada, com mediana de 135 mil novos empregos.

No acumulado de janeiro e fevereiro, foram criados 143.186 empregos com carteira assinada – melhor desemprenho para o primeiro bimestre desde 2014, quando a economia brasileira ainda crescia com mais vigor e foram abertas 364.632 vagas de empregos com carteira assinada no Brasil, conforme a série histórica com ajustes.

 

O resultado de fevereiro decorre de 1,274 milhão de admissões e de 1,213 milhão de demissões. O dado inclui os contratos firmados já sob as novas modalidades previstas na reforma trabalhista, como a jornada intermitente e a jornada parcial.

Com esse resultado mais os ajustes feitos em meses anteriores – que incorporam declarações de contratação ou demissão feitas fora do prazo 0û, o saldo do Caged em 12 meses ficou positivo em 102.494 vagas geradas entre março de 2017 e o mês passado.

+ JOSÉ MÁRCIO CAMARGO: Desemprego, inflação e reformas

Setores. O setor de serviços e a indústria lideraram a geração de empregos formais no mês de fevereiro. Segundo o Caged, os serviços terminaram o mês passado com 65.920 novos postos de trabalho com carteira assinada. Em seguida, a indústria de transformação aparece com a geração de 17.363 novos empregos formais.

Entre os demais setores que terminaram o mês com contratações, em terceiro aparece a administração pública, com 9.553 novos empregos no mês. Serviços industriais de utilização pública (+629 vagas) e a indústria extrativa mineral (+315 empregos) também terminaram o mês com novos empregos.

Por outro lado, o comércio terminou mais um mês com demissões. Ao todo, foram fechadao 25.247 empregos com carteira assinada no mês passado. O setor agropecuário, com 3.738 demissões, e a construção civil, com o encerramento de 3.607 empregos formais, também terminaram o mês com menos empregos que em janeiro.

Salário. O salário médio de admissão no mercado de trabalho formal registrou queda real de 2,2% em fevereiro em relação a janeiro de 2018, para R$ 1.502,68. Na comparação com fevereiro de 2017, porém houve aumento real de 2,6%.

Como tem ocorrido nos últimos meses, o salário dos novos empregados ficou abaixo do que era recebido pelos trabalhadores demitidos em fevereiro. Na média, o salário dos demitidos foi de R$ 1.662,95. Os que entraram no mercado de trabalho, portanto, recebem o equivalente a 87,31% dos que foram demitidos.

Entre os setores da economia, a indústria extrativa é o segmento que tem mais diferença salarial entre demitidos e contratados: o salário médio dos que entraram é 68,4% da renda média dos demitidos em fevereiro. Na indústria, a proporção é inferior à média da economia e ficou em 79,5%. A agropecuária é o ramo da economia em que contratados e demitidos recebem basicamente a mesma coisa: os novos salários equivalem a 99,6% da renda dos que deixaram os empregos.  

Crise. Durante a recessão, entre 2015 e 2016, o País eliminou mais de 3,5 milhões de vagas formais. No ano passado, o mercado de trabalho melhorou, mas não escapou de um resultado negativo de 20,8 mil postos fechados.

Para este ano, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tem dito que espera uma geração de vagas formais superior a 2 milhões. Já estudo técnico do Ministério do Trabalho projeta um avanço de 1,8 milhão de postos. A melhora do emprego tem ganhado destaque no discurso do governo, depois do engavetamento da reforma da Previdência.

   

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.