Brasil importa energia da Argentina pelo 3º dia consecutivo

Segundo fonte, país vizinho tem mandado tudo o que sobra de energia para o Brasil; consumo bateu novo recorde na quarta

Renée Pereira, O Estado de S. Paulo

22 de janeiro de 2015 | 19h25

O Brasil importou energia da Argentina para complementar a oferta brasileira pela terceira vez consecutiva nesta quinta-feira. Na terça, um dia depois do apagão que atingiu dez Estados e o Distrito Federal, o País comprou 998 MW para atender a demanda no horário de pico, às 14h48. Ontem, foram mais 798 MW, às 15h29. Os números de hoje só deverão ser publicados amanhã.

Segundo um técnico do governo, que não pode se identificar, a Argentina tem mandado tudo que sobra para o Brasil. Com os reservatórios do Sudeste/Centro-Oeste em 17,43% e com consumo batendo recordes em horário de ponta, o País não quer correr risco de novo blecaute, afirmou a fonte. 

As regiões Sudeste e Centro-Oeste do País registraram novo recorde histórico de consumo de energia na quarta-feira, 21, segundo dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Às 14:32, a carga de energia enviada para a área Sudeste/Centro-Oeste, tratada como uma única região pelo ONS, chegou a 51.894 megawatts (MW). Até então, a máxima registrada em SE/CE havia ocorrido na segunda-feira, dia do apagão, com carga de 51.447 MW.

A seca que atinge as Regiões Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste reduziu tanto o nível dos reservatórios que, se não chovesse nada nas próximas semanas, a quantidade de água armazenada daria apenas para um mês de consumo de energia no Brasil.

Os dados foram compilados pelo Instituto de Desenvolvimento Estratégico do Setor Energético (Ilumina), com base em dados do ONS. "Não vimos essa situação nem em 2001 (ano do racionamento)", diz o presidente do Ilumina, Roberto Pereira D'Araújo.

Tudo o que sabemos sobre:
energiaargentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.