Brasil impulsiona exportações das Américas do Sul e Central

O Brasil impulsionou o aumento das exportações de serviços comerciais das América Central e do Sul, incluindo o Caribe, em 2005. A afirmação, feita nesta terça-feira pela Organização Mundial do Comércio (OMC), mostrou que o avanço de 28% dessas exportações do País fez com que as Américas Central e do Sul expandissem em 20% suas vendas externas de serviços comerciais, com relação a 2004, garantindo-lhe o posto de local onde essas vendas mais aumentaram no mundo. O forte crescimento brasileiro também fez com que a venda no exterior desse tipo de serviço nos países do Mercosul aumentasse 25% no ano passado. De acordo com os dados, o aumento das exportações de mercadorias na região também foi um dos mais fortes do mundo, ao alcançar 18,5%. Segundo o órgão, a média mundial de crescimento das vendas externas foi de 11% no período. O ritmo de crescimento do Brasil foi superado apenas por outras economias emergentes, como a China, que avançou 31%. Em geral, as trocas comerciais da América do Sul e Central com o exterior, em ambos os sentidos, são os que mais cresceram em comparação a outras regiões do mundo, com exceção para as importações dos países da Comunidade dos Estados Independentes (CEI). Aspecto negativo O aspecto negativo dos dados reunidos no relatório da OMC está na comparação entre os correspondentes a 2005 e a 2004, pois se observa um esfriamento generalizado na economia e nas trocas comerciais. Assim, o ritmo de crescimento das exportações de mercadorias passou de 12,5% (2004) para 10% (2005), e o das importações de 18,5% (2004) para 14% (2005). O fluxo internacional de capitais públicos para a região também caiu, ao mesmo tempo em que o total das exportações - incluindo as de serviços - passaram de um crescimento de 29% para 25%. Caso o Brasil seja excluído desse último cômputo, no qual o ritmo de crescimento dos investimentos passou de 32% para 23%, a queda foi um pouco mais moderada: de 28% para 26%. O mesmo aconteceu com as importações em seu conjunto: entre 2004 e 2005 passaram de um crescimento de 28% na região para 22%; no Brasil, de 31% para 17%, e no resto da região - excluindo este país - de 27% para 24%. Para este ano, a OMC calcula que a economia da América do Sul e Central crescerá entre 4% e 5%, o que representaria a manutenção do ritmo de 2005.

Agencia Estado,

11 Abril 2006 | 14h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.