Brasil inicia ofensiva comercial na nova União Européia

O ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, reiterou hoje a meta de ultrapassar US$ 100 bilhões em exportações até o final do governo Lula. "O nosso projeto é o de derrubar recordes da balança comercial. Esperem recordes em cima de recordes", disse ele, que está em Londres para visitar uma promoção sobre o Brasil em um loja de departamentos, além de manter contatos com empresários locais.Nesta quinta-feira ele viaja para a Hungria, iniciando um programa de contatos com países do Leste europeu recém ingressados na União Européia. Ele disse não temer o regime restritivo que a organização impõe às compras de produtos de outras partes do mundo. "A nossa posição é ofensiva. Nós não jogamos na retranca", disse.Furlan disse que a meta de US$ 100 bilhões em exportações não depende exclusivamente das taxas de crescimento da economia mundial. "No ano passado, o comércio internacional cresceu de 3% a 4%, mas as exportações do Brasil aumentaram 21%", afirmou. "Para este ano as previsões são de um crescimento do comércio mundial de 7% a 8% e nós estamos neste momento com 25% de crescimento", disse.O ministro classificou de muito positivo o encontro que teve com a colega britânica, Patricia Hewitt. "Nós discutimos a questão da energia limpa e a possibilidade de cooperação nesta área, levando em conta que a Grã-Bretanha, como país integrante da UE, é signatária do tratado de Kyoto. Notamos que há um significativa convergência da nova política industrial da Grã-Bretanha com a do Brasil", disse. Ele informou que a ministra britânica visitará o Brasil no mês que vem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.