Mikhail Metzel / AFP
Mikhail Metzel / AFP

'Brasil já passou por pior momento e deve contribuir para crescimento mundial', diz The Economist

A reportagem destaca que o PIB brasileiro está encolhendo há oito trimestres, mas o ambiente começou a mudar: as expectativas de inflação estão em queda e os juros também estão sendo reduzidos

Altamiro Silva Junior, Broadcast

17 de março de 2017 | 17h17

SÃO PAULO - O pior já passou para as economias do Brasil e da Rússia. Depois de mergulharem em forte recessão, dois dos maiores países emergentes do mundo devem voltar a crescer em 2017 e contribuir para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, avalia a revista inglesa The Economist em sua matéria de capa desta semana, que fala da surpresa com a recuperação da economia mundial.

Na capa da publicação, sete balões com as bandeiras das maiores economias do mundo sobem rumo ao céu, incluindo um com a do Brasil e outro com a da zona do euro. O balão que voa mais alto é o do Estados Unidos.

A reportagem destaca que o PIB brasileiro está encolhendo há oito trimestres, mas o ambiente começou a mudar. As expectativas de inflação estão em queda e os juros também estão sendo reduzidos. Ao contrário de períodos anteriores, o Brasil e a Rússia não devem subtrair pontos da expansão mundial este ano, mas contribuir para o crescimento. 

O Instituto Internacional de Finanças (IIF), formado pelos maiores bancos do mundo e com sede em Washington, destaca a reportagem, estima que os países em desenvolvimento tiveram em janeiro a maior taxa de expansão mensal desde 2011. Quase 10 anos após a crise financeira mundial de 2008, a economia mundial dá sinais de engatar uma expansão "sincronizada", ressalta a Economist. "Na América, Europa, Ásia e mercados emergentes, pela primeira vez desde 2010, todos os motores estão funcionando de uma vez."

Nos EUA, a publicação ressalta que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) elevou esta semana o juros pela segunda vez em três meses, graças em parte ao vigor da maior economia do mundo. Ao mesmo tempo, as preocupações com a atividade da China se reduziram. No Japão, os gastos de capital tiveram no quarto trimestre o crescimento mais rápido em três anos, enquanto na zona do euro o desemprego chegou ao menor nível desde 2009. 

Ao mesmo tempo que a economia melhora, a reportagem ressalta que o mundo político está mais turbulento. Anos de fraco crescimento do PIB do planeta tiveram como consequência o surgimento de líderes populistas. A Casa Branca é ocupada por um nacionalista, destaca o texto ao falar de Donald Trump. 

Esse ambiente político é perigoso, alerta a The Economist. "Se os políticos populistas ganharem crédito por uma economia mais dinâmica, suas políticas ganharão credibilidade, com efeitos potencialmente devastadores."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.