finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Brasil já tem um plano de crescimento fiscal, diz Meirelles

Pra presidente do Banco Central, principal problema do país é crédito.

Alessandra Corrêa, BBC

10 de novembro de 2008 | 20h33

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse nesta segunda-feira que o Brasil "já tem um plano de crescimento fiscal" e que o principal problema do país é falta de crédito. "Cada país tem que adotar políticas fiscais de acordo com sua necessidade (...). O Brasil já tem um plano de crescimento fiscal", disse ele, referindo-se ao PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), do governo federal. "O que há (no país) é um problema forte de liquidez." Meirelles fez seus comentários após um encontro do Banco de Compensações Internacionais (BIS, na sigla em inglês) em reposta a perguntas de jornalistas sobre a possibilidade de o Brasil seguir a China e lançar um pacote de políticas fiscais expansionistas. No fim de semana, a China anunciou um pacote econômico de US$ 586 bilhões para estimular sua economia. O plano inclui aumentar os gastos públicos na área de infra-estrutura e habitação, além do corte de impostos para alguns setores empresariais. Após o encontro do BIS, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, elogiou a China e afirmou que os países que tivessem a capacidade de fazer o mesmo deveriam seguir o exemplo chinês. Essa também foi a tônica dos discursos durante o G20 (grupo dos países mais ricos do mundo) que se encontraram na cidade no fim de semana. No encontro, o diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, e o presidente do Banco Mundial, Robert Zoellick, afirmaram que a maior preocupação global deve ser com a retração da economia e que os temores com a inflação, embora importantes, ficaram em segundo plano em âmbito global. Quando questionado sobre se o país vai mudar a sua política monetária diante da crise atual e do corte de juros de outros países, o presidente do BC foi sucinto. "A política monetária adequada no momento é a que está na ata do Copom (Comitê de Política Monetária) divulgada na quinta-feira (...) Políticas futuras vão ser decididas na próxima reunião." Desaceleração mundialSegundo Meirlelles, é consenso entre os participantes da reunião do BIS que a economia mundial vai se "desacelerar substancialmente em 2009" e que é esperada uma contração nos produtos internos brutos dos países industrializados."Os emergentes devem continuar a crescer, mas a taxas menores", disse.Meirelles afirmou ainda que "o Brasil está enfrentando esta situação em posição relativamente melhor que outros países, e bem melhor do que no passado", afirmou.Meirelles afirmou que a meta de inflação para o Brasil em 2009 segue em 4,5%.Apesar dos problemas, o presidente do BC disse que também é consenso que a situação global melhorou, embora ainda seja grave. Para ele, há uma gradativa recuperação de crédito, mas ainda abaixo dos níveis anteriores à quebra do banco Lehman Brothers, há quase dois meses.A reunião do BIS - que é conhecido como "o banco central dos bancos centrais" - foi realizada pela primeira vez no Brasil, logo após o encontro de ministros de Finanças e presidentes de bancos centrais do G20.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.