'Brasil lidera consumo e necessita de especialistas'

O Brasil ocupa desde 2011 a liderança no consumo de perfumes. "Esse é um mercado cada vez mais promissor, que necessita de profissionais antenados com o mercado, que tenham um repertório cultural olfativo muito pertinente", diz a professora Andréia Miron (foto abaixo), que é coordenadora da pós-graduação lato sensu "A Cultura do Perfume", da Faculdade Santa Marcelina (FASM). A instituição é a única no Brasil a oferecer a pós-graduação lato sensu na área.

CRIS OLIVETTE, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2014 | 02h15

Segundo ela, o curso foi planejado durante quatro anos e está em atividade há dois. "A Givaudan, maior casa de fragrância do mundo, e que tem atuação no Brasil, nos procurou propondo a criação de um curso que oferecesse a alfabetização e o desenvolvimento de uma cultura olfativa no País." Ela conta que, naquela época, o mercado já dava sinais de que o Brasil seria líder mundial no consumo do produto.

Andréia explica que, para que novos projetos sejam lançados, as empresas precisam entender como funciona a dinâmica no Brasil e no mundo. "No País, o aquecimento se deve ao fato de que 94% dos produtos usados pelos brasileiros são nacionais. Isso comprova a força de nosso mercado, que necessita cada vez mais de profissionais capacitados." No mercado mundial, diz a professora, as marcas de alta costura não sobrevivem mais da moda, e sim da perfumaria. "Hoje, todas as grifes têm uma linha de perfume, que complementa o universo da beleza."

De acordo com a coordenadora, o curso atrai pessoas que trabalham na área de desenvolvimento de produto ou marketing, e querem aprimorar seu repertório cultural. "Algumas são de casas de fragrâncias e outras de grandes empresas do setor." Ela conta que as turmas são reduzidas, com 20 alunos no máximo, e que as aulas ocorrem às terças-feiras e às quintas-feiras, das 19h00 às 22h40.

Aluna do terceiro semestre da pós-graduação, Lunia Castelli, de 26 anos, é avaliadora de fragrâncias trainee da casa de fragrâncias Drom. Ela conta que optou pelo curso porque a grade curricular se encaixa com o que sempre desejou. "Sempre quis trabalhar com fragrâncias, e vi no curso uma possibilidade de me aperfeiçoar e me especializar nessa área que é minha paixão. A pós também é uma ótima forma de networking, pois tenho contato com outros profissionais que atuam na área de fragrâncias e compartilham seus conhecimentos e experiências."

A estudante diz que, no trabalho, faz gestão de projetos de fragrâncias para cosméticos, perfumes, produtos de higiene e limpeza e ajuda a selecionar fragrâncias de acordo com as características do público-alvo. "Tenho colocado em prática o que aprendo. Conhecer características do mercado nacional e internacional e entender o consumidor e as tendências têm me ajudado, assim como o estudo de matérias-primas e de suas famílias olfativas."

A jovem afirma que poder trabalhar com fragrâncias é uma realização. "Gosto muito da rotina dinâmica e de poder participar do desenvolvimento de um produto. Ao lidar com fragrâncias, lido diretamente com o sensorial de um produto e posso ajudar a proporcionar uma experiência agradável, além de mexer com a memória olfativa das pessoas."

Após concluir a especialização, esses profissionais podem ocupar funções como avaliadores, desenvolvedores de produto e gestores de projetos, segundo a coordenadora: "E muitas pessoas que têm pequenas e médias empresas nesse setor, também ingressam no curso para obter bagagem para usar em seu próprio negócio".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.