Marcos Santos/USP Imagens
Marcos Santos/USP Imagens

Brasil lidera ranking de juros do cartão na América Latina

Taxa média cobrada no País é de 436% ao ano, 10 vezes maior que no vice-líder Peru

Renée Pereira, O Estado de S.Paulo

16 Novembro 2016 | 06h00

No ranking das maiores taxas de juros da América Latina, o Brasil ganha disparado. Um levantamento feito pela Proteste – Associação Brasileira de Defesa do Consumidor – com seis vizinhos latinos mostra que a taxa cobrada no rotativo do cartão de crédito é 10 vezes maior no Brasil que no segundo colocado, que é o Peru. Lá, os juros médios cobrados do consumidor que entra no rotativo do cartão são de 43,7% ao ano, contra 436% no Brasil.

Na Argentina, onde a inflação está na casa de 40% ao ano, os juros cobrados no rotativo do cartão de crédito são de, no máximo, 43,29% ao ano, segundo os dados da Proteste. Já na Venezuela, que vive uma intensa crise econômica, há limites máximos estabelecidos: o juro no cartão não pode ultrapassar 29% ao ano. “Aqui no Brasil é praticamente impossível pagar o rotativo do cartão. Mesmo sendo um crédito pré-aprovado, não deveria haver taxas tão abusivas”, afirma a economista da Proteste, Renata Pedro, responsável pelo levantamento.

Ela conta que, no levantamento, encontrou taxas que chegaram a 1.158% ao ano. Nesse caso, calcula a economista, um consumidor que tiver uma fatura de R$ 1 mil e resolver pagar apenas o valor mínimo de 15%, no fim de 12 meses terá uma dívida de R$ 10 mil. “Não dá para entender como podem cobrar uma taxa tão discrepante (já que a Selic, que é a taxa básica de juros, está em 14% ao ano).”

O levantamento da Proteste avaliou 181 cartões de 17 bancos ou operadoras. Vários questionários foram enviados às instituições financeiras, mas apenas quatro responderam. “Começamos a ligar e pesquisar na internet. Em alguns casos, chegamos a contratar os cartões para saber quanto cada banco cobrava efetivamente”, afirma Renata. Nos demais países, como há uma regulamentação sobre a cobrança, as taxas dos cartões estão disponíveis em sites.

Em nota, a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) afirma que, no Brasil, a maioria das transações com cartão de crédito não tem juros, pois os brasileiros financiam suas compras por meio do parcelado sem juros. Além disso, 85% pagam a sua fatura em dia e apenas um entre dez usa o crédito rotativo. E, quando entra nessa situação, fica em média 12 dias.

Falta de concorrência. Dentre os vários fatores que podem explicar o porquê de o Brasil ter taxas de juros tão altas ao consumidor no cartão de crédito em relação a seis países da América Latina, a mais plausível é a falta de concorrência entre as instituições financeiras.

A opinião é da economista da Proteste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) e responsável pelo levantamento sobre juros no cartão em países da América Latina, Renata Pedro. “Aqui, as instituições cobram o que querem. Não há justificativa para taxas tão elevadas.” 

Nas instituições, os argumentos variam do risco de inadimplência aos penduricalhos que elevam o custo dos bancos, como a carga tributária.

Segundo dados do Banco Central (BC), a taxa de inadimplência do rotativo do cartão de crédito, em atrasos de 15 a 90 dias, estava em 15,7% em setembro - 2,3 pontos porcentuais menor que em igual período do ano passado. No ano, entretanto, houve uma alta de 0,3 ponto porcentual. Nesse mesmo período, o uso do rotativo do cartão subiu 17,4% em 12 meses e 12,8% no ano. 

Na avaliação da Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), a análise comparativa de cartões precisa levar em conta a forma como o produto é usado em cada país. 

Enquanto no Brasil há o parcelamento sem juros no cartão de crédito, nos outros países, esse tipo de transação é a menor parte, e as pessoas usam o crédito rotativo para financiar suas compras. 

Para Renata, no entanto, a “invenção” do pagamento mínimo que existe no Brasil é uma armadilha que induz o consumidor a entrar na dívida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.