Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Brasil lidera recuperação da América Latina, afirma FMI

Fundo aponta medidas de estímulo do governo como importante impulso na economia do País

WALTER BRANDIMARTE, REUTERS

01 de outubro de 2009 | 08h48

O Fundo Monetário Internacional (FMI) elevou suas projeções de crescimento para a América Latina, e disse que a recuperação será liderada pelo Brasil e estimulada por medidas de estímulo governamentais adotadas "na hora certa".

A melhora nas condições nos mercados financeiro global e de commodities também está apoiando o desempenho da América Latina, disse o FMI no relatório de Perspectivas Econômicas Mundiais. O documento ressalta ainda que os riscos de revisão para baixo de suas perspectivas estão retrocedendo.

"Há indicações de que a recuperação teve início no segundo trimestre de 2009 e deve assumir ritmo moderado na segunda metade do ano, liderada pelo Brasil", apontou o FMI no documento.

A instituição afirmou também que muitos países da América Latina estão aptos a mitigar o impacto da crise com políticas monetárias anticíclicas.

As estimativas do FMI para a economia da América Latina são de contração de 2,5 por cento neste ano e expansão de 2,9 por cento em 2010.

Brasil

O fundo melhorou sua estimativa para o Brasil, para retração de 0,7 por cento neste ano --comparado com previsão anterior de recuo de 1,3 por cento-- e crescimento de 3,5 por cento em 2010 --1 ponto percentual acima do cenário anterior.

"O Brasil vai liderar a recuperação em parte por causa de seu grande mercado doméstico e da diversidade dos produtos exportados e mercados, especialmente a Ásia", disse o FMI.

As previsões para o México, economia mais abatida da região, apontam retração de 7,3 por cento neste ano e crescimento de 3,3 por cento em 2010.

A recuperação mexicana será mais lenta porque sua economia é mais aberta ao comércio global e mais dependente dos Estados Unidos, disse o fundo.

Apesar da retomada, as previsões do FMI apontam que a inflação da região continuará contida, devido a ainda ampla capacidade ociosa, permitindo que as políticas monetárias afrouxadas sejam mantidas.

O FMI estima que a inflação caia de 8 por cento em 2008 para 6,1 por cento em 2009 e para 5,2 por cento em 2010.

"Os bancos centrais devem manter os juros baixos até que a recuperação esteja ocorrendo de forma sólida e até que as pressões inflacionárias se tornem relevantes", afirmou o organismo.

Tudo o que sabemos sobre:
MACROFMILATAM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.