Brasil mantém 'serenidade' diante de crise, diz jornal francês

Para 'Le Monde', país está confiante em que ficará à margem da atual crise.

Da BBC Brasil, BBC

25 de março de 2008 | 08h10

Diante da atual crise financeira internacional, o Brasil mantém uma "bela serenidade", afirma nesta terça-feira uma reportagem do jornal francês Le Monde.Em uma análise da conjuntura econômica brasileira, o correspondente do vespertino parisiense avalia que a 10ª economia do mundo "vive um período de esplendor que inspira confiança em seus parceiros, assim como em si mesma".Entre as razões que o repórter elenca para criar tal clima, está o crescimento de 5,4% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2007 - "a segunda boa notícia do ano, depois do anúncio, no fim de fevereiro, de que o Brasil se tornou credor" no sistema financeiro mundial."É o país emergente que mais aumentou seus meios de troca em 2007. O nível de suas reservas - hoje superiores sua dívida externa pública e privada - lhe garante um confortável colchão de divisas que lhe protege da seca do mercado", avalia o repórter.O jornalista menciona a diversificação dos produtos e destinos de exportação brasileiros, e qualifica de "autônoma e transparente" as intervenção do Banco Central (BC) na economia.Entretanto, lembra o Monde, há "perigos" que "se aproximam". O primeiro é um ligeiro déficit no balanço de conta-corrente em 2007 por conta do ritmo de importações, elevado pela alta demanda interna e pelo poder de compra do real."A inflação é o segundo perigo. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva a considera o pior inimigo dos pobres, cuja causa ele defende. O chefe de Estado prefere um crescimento modesto, que não transporte o germe do retorno da inflação", escreve o repórter.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
brasilargentinaeconomistimprensa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.