Brasil não abrirá mão de interesses nacionais, diz Furlan

Mesmo com o reconhecimento da China como economia de livre mercado, os interesses das empresas brasileiras continuarão a ser defendidos pelo País, afirmou o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, Luiz Fernando Furlan, durante entrevista no Palácio do Planalto, junto com o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, nesta sexta-feira."O Brasil não abre mão das salvaguardas ou da aplicação das regras antidumping", garantiu Furlan, afirmando que a burocracia brasileira estará atenta para a defesa dos interesses dos empresários nacionais. O ministro lembrou também que a mesma situação se deu com a Rússia e o Brasil manteve a defesa de seus interesses junto à OMC. Antes de terem sua economia reconhecida como de livre mercado, Rússia e China eram submetidas a regras especiais.O ministro disse ainda que o reconhecimento dado à China deverá assegurar acesso privilegiado aos consumidores daquele país. A afirmativa, de acordo com Furlan, foi feita pela comitiva chinesa durante as negociações, classificadas pelo ministro como "duras". Segundo ele, foram mais de 20 horas de discussões, só concluídas ao meio-dia desta sexta-feira, para que o Brasil conseguisse a reciprocidade que queria.A formalização do reconhecimento ainda terá que passar pela Câmara de Comércio Exterior e sua oficialização levará algumas semanas. O Brasil é o primeiro grande país a fazer esse reconhecimento, já realizado por países como a Nova Zelândia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.