Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

''''Brasil não está imune a recessão nos EUA''''

Os avanços macroeconômicos deixaram o Brasil melhor preparado para enfrentar uma eventual recessão nos Estados Unidos em 2008, mas o País não ficará imune caso tal cenário se concretize. A avaliação é do presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles. Ele destacou que o grande impulso para ao crescimento brasileiro vem da demanda doméstica. De outro lado, admitiu que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) poderá sofrer algum efeito da desaceleração maior economia do mundo. "Vai depender muito do impacto da crise de crédito dos Estados Unidos, mas os efeitos para o Brasil serão muito pequenos", afirmou.Meirelles destacou que a atividade econômica brasileira vem crescendo por causa da alta da renda, do emprego e da lucratividade das empresas. "Esses fatores levam a uma alta do consumo e do investimento, o que provoca um aumento da oferta de bens de serviços", disse.Ainda sobre a crise, Meirelles lembrou que as vendas externas do Brasil para os Estados Unidos representam apenas 17% da pauta das exportações brasileiras.

Vinícius Pinheiro, O Estadao de S.Paulo

23 de novembro de 2007 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.