carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Brasil não irá rever essência do Tratado de Itaipu

Brasil está disposto a dialogar com base nas demandas, o que não significa que considere todas aceitáveis

Tânia Monteiro, da Agência Estado,

13 de agosto de 2008 | 20h15

Um dia antes de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva desembarcar em Assunção, para assistir a posse do novo presidente do Paraguai, Fernando Lugo, o governo brasileiro avisou que não atenderá um dos principais pedidos daquele país: a revisão do Tratado de Itaipu. Em entrevista hoje no Palácio do Planalto, o porta-voz da Presidência, Marcelo Baumbach, informou que "o Brasil pode discutir assuntos como o financiamento de uma linha de transmissão de Itaipu para Assunção e diversos outros assuntos, e acredita que é perfeitamente possível encontrar formas de ajudar o Paraguai nesse campo, mas sem necessidade de rever o Tratado de Itaipu".Segundo Marcelo Baumbach, "o Brasil está disposto a dialogar, anotou as demandas que já vêm sendo feitas pelos paraguaios, o que não significa que considere como aceitáveis todas as reivindicações colocadas". O porta-voz reiterou que, "na questão específica de Itaipu, o Brasil já deixou claro, em várias oportunidades, que não pretende rever o tratado em seus aspectos essenciais. Ele lembrou ao governo paraguaio que "o tratado, por exemplo, não permite a venda de energia a terceiros países", uma das reivindicações do novo governo."O Brasil está disposto a dialogar, anotou as demandas que já vêm sendo feitas pelos paraguaios, o que não significa que considere como aceitáveis todas as reivindicações colocadas", comentou Baumbach, informando que Lula convidará Lugo para vir ao Brasil para uma reunião de trabalho para avançar em uma agenda de cooperação, mas "sem rever o Tratado de Itaipu, em seus aspectos essenciais".

Tudo o que sabemos sobre:
EnergiaTratado de ItaipuParaguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.