DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
Imagem Fernando Dantas
Colunista
Fernando Dantas
Conteúdo Exclusivo para Assinante

'Brasil não pode desperdiçar uma boa crise', diz Barbosa

Ministro referia-se ao fato de que a queda do PIB poderia levar Congresso a aprovar as reformas propostas pelo governo

Fernando Dantas, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2016 | 02h04

DAVOS - O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, disse ontem em Davos que "o Brasil não pode desperdiçar uma boa crise", uma referência ao fato de que a forte queda do Produto Interno Bruto (PIB) pode levar o Congresso a ficar mais sensível à necessidade de aprovar as reformas fiscais propostas pelo governo, especialmente a CPMF e a Desvinculação de Receitas da União. A declaração foi feita durante almoço no Fórum Econômico Mundial.

A um público de investidores e autoridades econômicas da América Latina, Barbosa disse que dois anos seguidos de queda do PIB são um fator que pode ajudar o governo a convencer o Congresso a aprovar reformas estruturais. Um pouco mais cedo, em entrevista a um pequeno grupo de jornalistas, o ministro já havia batido na mesma tecla.

Abertura. Barbosa disse também que o Brasil "está abrindo a economia para investimentos". Ele mencionou um encontro sobre infraestrutura do qual havia participado pela manhã, onde uma das principais constatações foi de que há supercapacidade em quase todos os setores da economia global, mas com a exceção da infraestrutura, em que a oferta está aquém da demanda. Segundo ele, a forte volatilidade cambial é um risco a mais para os investidores em infraestrutura no Brasil e, por isso mesmo, é preciso uma política fiscal sólida que ajude a estabilizar a taxa de câmbio.

Perguntado sobre corrupção, Barbosa disse que confia nas instituições democráticas brasileiras, que nas últimas décadas já levaram o País a superar diversos desafios, como derrotar a hiperinflação e reduzir a pobreza e a desigualdade. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.