Bruno Kelly/Reuters
Bruno Kelly/Reuters

Brasil prometeu reduzir desmatamento, mas isso não está acontecendo, diz investidor europeu

Para Graham Stock, da Bluebay Asset, 'deixar de prevenir o desmatamento é uma ameaça às perspectivas do Brasil'

Lorenna Rodrigues e Célia Froufe, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2022 | 13h25

BRASÍLIA - O estrategista da Bluebay Asset Management para títulos soberanos de mercados emergentes, Graham Stock, fez duras críticas à política ambiental do Brasil e disse que o País não está cumprindo  promessas de reduzir o desmatamento, o que poderá ter efeitos na capacidade de atrair investimentos e, no futuro, de pagar os títulos da dívida pública. “Na COP 26 do ano passado o Brasil fez mais promessas para eliminar o desmatamento, mas isso não está acontecendo”, afirmou ele, que representa uma das maiores gestores de investimentos da Europa.

Ao lado do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, no congresso Mercado Global de Carbono, realizado pelo Banco do Brasil e Petrobras, ele disse ainda que deixar de proteger a Amazônia teria consequências “desastrosas” para o planeta e para o Brasil.“Acreditamos que deixar de prevenir o desmatamento é uma ameaça às perspectivas do Brasil e para a posição fiscal do país e, portanto, para a capacidade futura do governo de honrar seus títulos que mantemos em nossas carteiras de mercados emergentes”, afirmou. 

Stock citou ainda a redução dos orçamentos para órgãos ambientais e disse que os investidores de dentro e fora do Brasil estão observando a questão de perto. “Achamos que o governo poderia fazer mais. Pode ser difícil para o Brasil atrair investimentos se o desmatamento não for atacado”, completou.  

Após as críticas, no encerramento do painel, Campos Neto convidou o executivo para conhecer a Amazônia. “A Amazônia é enorme e às vezes é difícil cuidar de todos os seus problemas. O ministro Joaquim Leite (Ministério do Meio Ambiente) sempre me convida e agora eu repasso o convite ao senhor: pegue um avião, viaje para a Amazônia e veja a Amazônia de perto”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.