finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Brasil não vai exigir garantias da Bolívia

Para Marco Aurélio Garcia, País terá as mesmas garantias de hoje, ?que não foram descumpridas?

Lu Aiko Otta, O Estadao de S.Paulo

10 de novembro de 2007 | 00h00

O Brasil não deverá exigir garantias adicionais à Bolívia antes de a Petrobrás retomar os investimentos naquele país. Questionado sobre que tipo de proteção o País teria contra novos sustos no país vizinho, o assessor para Assuntos Internacionais da Presidência, Marco Aurélio Garcia, afirmou: "As mesmas garantias que temos hoje, e que não foram descumpridas em nenhum momento."Segundo Garcia, o governo brasileiro, está disposto a "reconstruir os laços" entre os dois países e por isso as relações econômicas serão aprofundadas a partir da visita que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fará à Bolívia no mês que vem.Na avaliação de Garcia, a América do Sul vive uma situação paradoxal. Somadas as reservas de petróleo, potencial hidrelétrico, biocombustíveis, energia solar e energia eólica, a região deve concentrar a maior reserva energética do mundo. "No entanto, quase todos os países estão ameaçados pela crise energética", disse. "O que falta? Falta integração." Os novos investimentos na Bolívia, explicou, garantirão o abastecimento futuro não só do Brasil, mas também da Argentina e do Chile - se este chegar a um entendimento com o governo boliviano, que exige uma saída soberana para o Pacífico como condição para fornecer o combustível. A segurança energética foi também tema de uma reunião privada de Lula com o presidente do Paraguai, Nicanor Duarte Frutos. Eles falaram sobre a construção de uma nova linha de transmissão entre a usina de Itaipu e Assunção. A obra deverá custar US$ 200 milhões, será bancada por Itaipu e facilitará a industrialização do país, segundo Garcia. Na avaliação do assessor, o projeto também ajudará a deixar claro que Itaipu não é um instrumento de dominação do Paraguai pelo Brasil.Há, em partes do setor privado brasileiro, o temor de que o país vizinho se transforme numa "nova Bolívia" e ponha em risco o abastecimento de energia elétrica. A preocupação é aumentada pelo fato que o Paraguai está em período pré-eleitoral e os candidatos fazem campanha atacando um suposto "imperialismo brasileiro".Facilitar a industrialização do país vizinho é, na visão de Garcia, a melhor forma de reduzir a assimetria entre as economias brasileira e paraguaia. Em meados deste ano, a relação entre os dois países ficou tensa depois que a Receita Federal do Brasil apertou a fiscalização na fronteira. A pressão paraguaia levou o governo brasileiro a propor ao Congresso a legalização dos chamados "sacoleiros". A proposta está no Congresso e anteontem foi tema de discussões dos parlamentares com o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim. Lula e Duarte também falaram sobre o tema.Ontem, além de participar da 17ª Cúpula Ibero-americana e receber o presidente do Paraguai, Lula teve várias reuniões privadas. Do secretário-geral da Cúpula, Enrique Iglesias, recebeu cumprimentos pela descoberta das reservas de petróleo. Com o presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento, Luis Alberto Moreno, tratou de financiamentos para projetos de biocombustíveis que beneficiem pequenos produtores. Hoje pela manhã, Lula deve se reunir com o presidente da Bolívia, Evo Morales. O encontro deveria ter sido ontem à noite, mas foi adiado por causa do atraso na programação oficial do evento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.