DAVID HECKER/EFE
DAVID HECKER/EFE

Brasil negocia cotas para exportar aço para os EUA

Estratégia está sendo pensada para que ambos os lados não sejam afetados pela política do presidente dos EUA

O Estado de S.Paulo

27 Março 2018 | 22h35

Os fabricantes brasileiros de aço e alumínio já negociam com seus clientes americanos acordo que estabeleça uma espécie de cotas de produtos a serem comercializados, disse Rubens Barbosa, presidente do Conselho de Comércio Exterior da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e consultor de empresas brasileiras.

+ Coreia do Sul e EUA selam acordo sobre aço

A estratégia está sendo pensada para que ambos os lados não sejam fortemente afetados pela política do presidente dos EUA, Donald Trump, que elevou as tarifas de importação de aço e alumínio sob o argumento técnico de que se trata de uma questão de segurança nacional.

“No fundo, no fundo, são cotas que eles vão estabelecer”, disse o embaixador, que auxilia siderúrgicas do lado brasileiro na empreitada. “Essa negociação já vem um pouco com cartas marcadas, os Estados Unidos vão querer o que estão chamando lá de ‘voluntary expansion restriction’, que são esses acordos de restrição voluntária de exportação”, acrescentou.

Na semana passada, o Brasil foi excluído por 30 dias da aplicação de taxas de 25% sobre o aço e de 10% sobre o alumínio impostas pelo governo Trump. Ao mesmo tempo, o Departamento de Comércio abriu prazo para que empresas americanas peçam a exclusão de seus fornecedores.

+ Indústria do aço teme ‘inundação’ de importações

Na Fiesp, Barbosa tem conversas estratégicas com as siderúrgicas sobre ambas as negociações.

O movimento de Trump causou fortes reações nos mercados financeiros e entre agentes econômicos, com temores de que possa desencadear uma guerra comercial global.

Apesar de acreditar que as fabricantes brasileiras Gerdau e CSN devem obter cotas para vender aos Estados Unidos produtos ou quantidades de aço semimanufaturado sem pagamento das tarifas, para o embaixador negociações desse tipo tendem a cobrar um preço e não há ganhadores. 

Ex-embaixador brasileiro em Washington de 1999 a 2004, Barbosa avalia que a tensão entre EUA e China não deve escalar a ponto de se transformar em uma guerra comercial mais ampla, embora haja “sério risco” de que isso aconteça. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.