Brasil obtém apoio para pedir mudanças na conta de gastos

O Brasil recebeu apoio de praticamente todos os países latino-americanos para pressionarem os organismos multilaterias de financiamento a mudar o cálculo do superávit primário, principalmente no que se refere a investimentos em infra-estrutura. O apoio foi conseguido graças ao empenho do ministro do Planejamento, Guido Mantega, que, desde que desembarcou no sábado em Lima, fez várias reuniões com os ministros de Fazenda dos principais países latino-americanos membros do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Ficou acertado que este pedido constará da declaração de encerramento da 45ª Assembléia Anual de Governadores do BID, a chamada "Carta de Lima", que será levada à reunião do FMI e do Banco Mundial (Bird) no dia 15 de abril. Futuras e eventuais mudanças na contabilização dos gastos primários, no entanto, dependerão da decisão do Fundo. "Todos os países conseguiram vencer muitas dificuldades ao longo destes anos, fazendo ajustes fiscais duros, reformas institucionais, aperfeiçoamentos de marco regulatório, mas ainda o desenvolvimento não ocorreu", disse Mantega. De acordo com ele o ligeiro crescimento verificado em algumas economias não é suficiente para resolver os problemas da pobreza, razão pela qual é necessário investir mais. "Agora, é o momento da onça beber água. Ou nós crescemos e damos um passo adiante ou vamos morrer na praia", afirmou. "Nós (os ministros) notamos que todos estão preocupados com os investimentos e sem eles não é possível haver crescimento sustentável."

Agencia Estado,

30 Março 2004 | 22h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.