Brasil participa com 0,2% de investimento direto no exterior

O Brasil participa com apenas 0,2% dos investimentos diretos no exterior com aplicações em torno de US$ 11 bilhões, o que coloca o País na 26ª posição do ranking mundial. O dado foi citado pelo diretor do Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Amaury Temporal. Isso, na sua opinião, demonstra que o Brasil tem uma baixa inserção internacional e este é um dos motivos da baixa competitividade das empresas brasileiras. Na opinião do diretor da Firjan, o Brasil precisa ter mais multinacionais, já que essas empresas estão assumindo participação crescente no comércio internacional. Segundo Temporal, o Brasil tem apenas uma empresa com faturamento superior a US$ 10 bilhões, a Petrobras, enquanto os Estados Unidos reúnem pelo menos 158 empresas nessa situação. O diretor da Firjan observou que os mercados e a tecnologia mudam com velocidades cada vez maiores e as empresas precisam estar presentes em várias partes do mundo para acompanharem o que está acontecendo. Ele defendeu que uma estratégia que deveria ser buscada pelas empresas brasileiras seria a realização de joint venture como a Embraer fez na China. Temporal observou que o Brasil tem apenas 0,9% do comércio internacional. Segundo ele, um bom caminho para o fortalecimento das empresas é o das fusões e aquisições.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.