Brasil pede à OMC nova decisão sobre algodão dos EUA

País quer que OMC não apenas condene os subsídios passados mas também os atuais recursos distribuídos

Jamil Chade, da Agência Estado,

27 de fevereiro de 2008 | 16h16

Em uma espécie de seguro contra uma reviravolta num processo milionário, o Brasil decidiu apelar da decisão da Organização Mundial do Comércio (OMC) que decretou a vitória do governo brasileiro contra os subsídios dados pelos Estados Unidos aos produtores de algodão. O Brasil quer que a entidade máxima do comércio não apenas condene os subsídios passados mas também os atuais recursos que o governo americano distribui a seus produtores.A OMC havia declarado que Washington violava as regras internacionais e exigiu que a Casa Branca mudasse seus programas de apoio ao algodão. Mas os americanos, há duas semanas, recorreram da decisão, arrastando o processo. Hoje foi a vez de o próprio Brasil apelar, alegando que a OMC não condenou os atuais subsídios, mas apenas o apoio financeiro dado nos últimos anos. A apelação brasileira ainda está condicionada a uma eventual decisão dos árbitros de rever a decisão que deu a vitória ao País, como querem os americanos. Para o governo, a iniciativa de hoje é uma espécie de seguro contra uma eventual mudança na avaliação da OMC sobre o caso. Polêmica Em uma eventual reviravolta da disputa, o Brasil avisa que colocará em questão os atuais programas existentes nos Estados Unidos para o setor. A guerra entre os dois países já dura cinco anos, sem nenhum resultado concreto na redução dos subsídios, apesar das inúmeras derrotas dos americanos. O Itamaraty chegou a pedir para retaliar os americanos em US$ 4 bilhões. Mas acabou fazendo um acordo com a Casa Branca. De um lado, o Brasil evitaria aplicar as sanções. De outro, Washington prometia retirar as distorções, mas isso nunca ocorreu.

Tudo o que sabemos sobre:
AlgodãoOMC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.