Brasil pede aumento das importações de carne pela Rússia

O Brasil propôs à Rússia que as cotas para importação de carnes sejam fixadas com base no volume exportado pelas empresas brasileiras na média de 2000, 2001 e 2002, que são maiores que as anteriores. "Os russos fizeram os cálculos baseando-se em períodos em que o Brasil estava iniciando suas exportações para a Rússia", esclareceu o secretário-executivo do ministério da Agricultura, José Amauri Dimarzio. Recentemente, os russos fixaram cotas considerando o volume exportado pelos fornecedores em 1999, 2000 e 2001.Dimarzio esteve reunido hoje com o ministro de alimentos da cidade de Moscou, Alessandre Baburin e com o vice-ministro, Victor Olkhovoy. Os dois são representantes do ministério em Moscou, responsáveis pela maior parte das importações e distribuição de alimentos para a capital russa. Os russos prometeram interceder pelo Brasil junto ao governo russo para tentar solucionar o assunto. Segundo Dimarzio, os representantes do ministério de alimentos da cidade de Moscou vieram ao Brasil negociar acordos para compra de produtos brasileiros.Para a carne suína, os russos fixaram cotas para compras do mundo todo de 377 mil toneladas. A Rússia fixou cota para importação de 42 mil toneladas de carne de frango para o Brasil, sendo que em 2002 as empresas brasileiras exportaram 295 mil toneladas de carne para esse mercado. As cotas vigorarão por quatro anos a partir do final de abril. Os exportadores brasileiros protestam contra a imposição das cotas e pediram aumento dos volumes.Dimarzio também pediu "melhora na comunicação entre os dois governos". Segundo ele, desde o dia 15 de janeiro, o governo brasileiro tenta agendar um encontro com técnicos russos para avaliar a sanidade do rebanho suíno de Santa Catarina. No dia 23 de dezembro do ano passado, a Rússia suspendeu as importações de carne suína de Santa Catarina, alegando focos de Aujeszky no rebanho local.A necessidade de estocagem é grande na Rússia, já que o país tem nove meses de inverno rigoroso e três meses de clima ameno. Só de carnes, a Rússia importa 80% do que consome anualmente. Na contrapartida, a Rússia se dispõe a fornecer trigo ao Brasil, mas cobrou do governo brasileiro a finalização da análise de risco de pragas para o produto. Segundo o secretário, para finalizar a análise de risco, o Brasil precisa que o governo russo forneça um atestado nacional para pragas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.