Brasil pede que OMC combata desequilíbrios

O Brasil pediu que a Organização Mundial do Comércio (OMC) estabeleça mecanismos, existentes ou novos, para combater os desequilíbrios cambiais que afetam as economias exportadoras e evitar assim "uma onda de protecionismo".

GENEBRA, O Estado de S.Paulo

28 de março de 2012 | 03h03

Ontem foi o primeiro de dois dias de um seminário a portas fechadas da OMC para analisar o impacto das taxas de câmbio no comércio internacional a pedido do Brasil, que se sente prejudicado pela valorização do real e pelo que considera uma desvalorização artificial de divisas como o dólar, o euro e o yuan.

Segundo o embaixador brasileiro na OMC, Roberto Azevedo, o primeiro dia serviu para constatar que ninguém nega que exista um desalinhamento cambial como o que está afetando as exportações brasileiras, embora haja divergências sobre as causas e raízes.

Azevedo pediu à OMC que "ofereça uma contribuição além da discussão", uma contribuição que "pode ser mais eficaz e operacional, desenvolvendo disciplinas que enfrentem os aspectos comerciais relacionados com as taxas de câmbio".

O seminário foi aberto pelo diretor-geral da OMC, Pascal Lamy, para quem a instituição não pode resolver por si só as questões macroeconômicas que afetam a oscilação das taxas de câmbio.

"O sistema da OMC, suas políticas e regras, não poderão resolver as questões macroeconômicas que estão no núcleo dos comportamentos das divisas no mundo todo", disse Lamy.

O embaixador brasileiro esclareceu que a OMC não tem a obrigação de solucionar as causas que produzem os desequilíbrios cambiais nem apontar culpados, mas determinar o que pode ser feito após identificado e quantificado o problema. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.