Brasil perde R$ 10 bi com quebra de safra, diz ministro

Pelo menos R$ 10 bilhões, ou cerca de US$ 4 bilhões, deixaram de ser incorporados à agricultura brasileira na safra 2004/2005, em virtude da quebra de 20 milhões de toneladas na colheita de grãos em relação à prevista inicialmente. As causas são a forte estiagem no Centro-Sul do Brasil e a baixa tecnologia aplicada à lavoura em algumas áreas. A estimativa é do próprio ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, que prevê ainda uma safra menor do que a de 2003/2004, quando foram colhidas 119,25 milhões de toneladas de grãos. Até agora, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estimava a safra 2004/2005 em 119,5 milhões de toneladas, número que será menor, na opinião de Rodrigues, na nova previsão a ser divulgada na próxima semana. "Eu acho que a previsão trará uma nova redução e é praticamente certo que a safra será menor até do que a do ano passado", disse Rodrigues, que participou hoje de uma reunião com pesquisadores e citricultores em Araraquara (SP). Na primeira estimativa de safra, feita em outubro do ano passado, o governo previa uma produção próxima a 130 milhões de toneladas de grãos e, se a previsão de Rodrigues se concretizar, ela deve ficar próxima a 110 milhões de toneladas. "É uma crise imensa e financeira para a agricultura. Temos de olhar isso com cuidado", disse o ministro. Bovinos O ministro comentou, pela primeira vez, a suspensão da exportação de carne bovina para os Estados Unidos. Ele admitiu que a decisão, tomada pelo governo durante a semana, foi para se adiantar a um possível embargo norte-americano à carne brasileira, o que poderia causar conseqüências desastrosas para o País. "Nós achamos melhor tomar a decisão de suspender a emissão de certificados durante um período, para que possamos implementar toda as solicitações do lado deles sem que houvesse o embargo. Nós é que nos adiantamos ao possível embargo", disse.

Agencia Estado,

07 Maio 2005 | 13h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.