Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

'Brasil perdeu o timing e agora estuda acabar com prioridade da Petrobrás para atrair estrangeiras'

Com a ausência de petroleiras estrangeiras em dois leilões consecutivos, governo avalia mudar o regime regulatórios dos leilões, disse o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque

Fernanda Nunes, Denise Luna e Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2019 | 12h21

RIO - O Brasil perdeu o "timing" no passado ao ficar um longo intervalo de tempo sem realizar leilões de áreas do pré-sal, de acordo com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque. Diante da ausência de petroleiras estrangeiras em dois leilões consecutivos nos quais foram oferecidas áreas de petróleo e gás, o governo agora avalia mudar o regime regulatório e acabar com a preferência dada à Petrobrás. Também vai estudar o cenário internacional, inclusive sobre os efeitos das preocupações com o meio ambiente na indústria de energia. 

Para o ministro, o direito concedido à estatal para que se manifeste sobre as áreas do seu interesse e quais pretende liderar com participação mínima de 30% "reduz a atratividade do certame". 

Nesta quinta-feira, 7, a empresa levou uma única área, a de Aram, no pré-sal da Bacia de Santos, embora tenha informado ao governo que pretendia ficar com três dos cinco blocos oferecidos. A análise de Albuquerque é que diante dessa informação e da interpretação de que não poderiam operar os projetos, as companhias optaram por não entrar na disputa. 

A mudança regulatória para o pré-sal é alvo de análise no Congresso desde antes mesmo da realização dos dois leilões do pré-sal. Com o resultado de ambos, ganhou força a ideia de alterar as regras. 

Além de tirar a prioridade da Petrobrás, há a intenção de se substituir a partilha pela concessão. No primeiro, sai na frente quem prometer que vai repassar mais óleo para a União à medida que a produção evoluir. Na concessão, ganha quem oferecer o maior lance de bônus, pago na assinatura do contrato. 

O governo está disposto a avaliar também se o Brasil, ao demorar a vender o pré-sal, perdeu o compasso com o mercado internacional, que passou a considerar as emissões e os prejuízos de acidentes ambientais na imagem das empresas como um fator determinante na hora de investir. 

"Se perdemos ou não o timing, perdemos no passado, quando ficamos sem realizar leilões, tendo conhecimento no pré-sal, quando o preço estava mais elevado. Então acho que lá se perdeu o timing. O que estamos fazendo é não perder a oportunidade", disse o ministro. Ele negou que uma possível demora em responder ao vazamento de petróleo nas praias do Nordeste tenha sido mais um fator de instabilidade considerado pelas companhias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.