Brasil pode ampliar a oferta de produtos, diz Meirelles

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse nesta sexta-feira que a demanda agregada crescente na economia brasileira, em função do aumento de renda do emprego e do crédito, dá condições para o crescimento da oferta. "Esse ambiente de demanda positiva permite que a oferta também seja ampliada", afirmou ele, após apresentação feita na 11ª Reunião de Presidentes do Banco Central do Mercosul e Associados. Na apresentação sobre economia internacional (feita sempre pelo país anfitrião do evento, que neste ano é o Brasil), Meirelles disse que a perspectiva é de que o crescimento mundial deve desacelerar, mas que ainda é um cenário positivo, com taxas de crescimento acima das taxas históricas. Neste sentido, destacou que a economia norte-americana deve registrar algum efeito de desaceleração por conta do mercado imobiliário, ainda que isso não represente riscos de uma transição brusca. Segundo Meirelles, há inclusive sinalizações de que esse processo de ajuste do mercado imobiliário começa a se estabilizar. O presidente do BC também disse que as economias da União Européia e do Japão demonstram algum dinamismo e que, na América Latina, a perspectiva é de continuidade dos trabalhos de aceleração do crescimento econômico em cada país. Questionado se os eventos recentes na Venezuela, Equador e Bolívia prejudicariam este processo de crescimento, Meirelles disse que o assunto não foi levado ao debate na reunião desta sexta. Nesta tarde o presidente do BC, acompanhado dos diretores de Assuntos Internacionais, Paulo Vieira da Cunha, de Política Monetária, Rodrigo Azevedo, e de Política Econômica, Afonso Beviláqua, participa de reunião bilateral com o presidente do BC argentino, Martin Redrado, para discutir a questão do comércio bilateral com o país vizinho com o uso direto de moedas locais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.