Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Brasil pode perder grau de investimento se Levy falhar, aponta OCDE

Relatório destaca os riscos enfrentados pela economia brasileira; para a organização, situação também pode se agravar se o escândalo de corrupção na Petrobrás causar novos prejuízos 

Fernando Nakagawa, enviado especial, O Estado de S. Paulo

03 de junho de 2015 | 10h10

PARIS - O fracasso do ajuste fiscal executado atualmente pela equipe econômica é um dos maiores riscos enfrentados pela economia brasileira. A avaliação é da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Se o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, falhar no esforço para controlar as contas públicas, diz a entidade, o País poderia perder o grau de investimento. 

A organização, que reúne mais de 30 países para estudar políticas para o desenvolvimento, piorou as projeções de crescimento econômico para o Brasil em 2015 e 2016. Para este ano, está prevista uma queda de 0,8% para o Produto Interno Bruto (PIB). Para o ano que vem, o crescimento esperado é de 1,1%.

"Os riscos para as perspectivas incluem o fracasso em alcançar o ajuste fiscal anunciado, o que está sendo visto como um teste decisivo para a melhora das políticas macroeconômicas", diz o relatório anual Economic Outlook, divulgado esta manhã em Paris. "Além de reduzir o investimento, isso (o fracasso do ajuste fiscal) poderia resultar na perda de grau de investimento do Brasil", completa o texto.

Outro risco vem da estatal Petrobrás. Para a entidade, a maior dificuldade relacionada à empresa seria o surgimento de problemas maiores que o esperado, especialmente se as investigações levarem a mais falências na cadeia de petróleo e gás no Brasil.

Ainda no campo dos riscos, a OCDE nota que o nível dos reservatórios de água aumentou recentemente. Mesmo assim, "a possibilidade de um racionamento de energia ou água continua". Problemas no abastecimento poderiam gerar impacto negativo na economia brasileira como os vistos nos anos 2000, diz o estudo.

Tudo o que sabemos sobre:
OCDEJoaquim Levyajuste fiscalPIB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.