Brasil pode sair antes da crise, diz ''Economist''

Reportagem aponta que País pode voltar a crescer 4% já em 2010, ?após breve recessão?

, O Estadao de S.Paulo

12 de junho de 2009 | 00h00

Um dos últimos a entrar em recessão, o Brasil pode estar entre os primeiros a sair dela, afirma uma reportagem publicada na revista britânica The Economist ontem. O texto cita a famosa frase de Lula "nunca antes na história deste País" para dizer que, para a fúria de seus oponentes, o presidente costuma estar certo quando diz que os dados positivos no País começaram após sua eleição, em 2002. "Pegue a taxa de juros: no dia 10 de junho, o Banco Central cortou sua taxa básica, a Selic, para 9,25% ao ano, a primeira vez que a taxa atinge um dígito desde os anos 60", afirma o texto. Segundo a revista, uma série de indicadores, desde o nível da bolsa de valores até a criação de crédito, está praticamente de volta aos níveis anteriores à quebra do banco Lehman Brothers, em setembro de 2008. Além disso, diz o texto, os dados do Produto Interno Bruto (PIB) - que caiu 0,8% no 1º trimestre ante o 4º trimestre de 2008 - vieram melhor que o esperado. "Muitos analistas acreditam que o Brasil está começando a crescer de novo, e vai voltar ao nível de crescimento anual de 3,5% a 4% no próximo ano. Se isso acontecer, significa que o País escapou da crise com apenas uma breve recessão."Entre as razões, a publicação cita que as políticas fiscal e monetária estão acelerando a recuperação do País. Além disso, o sistema financeiro está saudável e a demanda doméstica continua robusta. O texto comenta ainda as mudanças no comércio exterior, que levaram a China a ultrapassar os Estados Unidos como maior parceiro comercial do Brasil.Do outro lado, a Economist aponta que alguns problemas familiares estão de volta, como a valorização do real sobre o dólar. A taxa de juro real no Brasil também permanece alta e as cadernetas de poupança podem ser um obstáculo para que os juros continuem caindo. "Mesmo assim, a situação ?nunca antes? do Brasil está levando a um movimento pouco usual de longo prazo. O Bradesco começou a oferecer crédito imobiliário de 30 anos, algo que seria impensável há pouco tempo atrás", diz o texto. "Coisas boas desse tipo podem até ser atrasadas por uma nova onda de contração em outros países. Mas o debate é, na realidade, sobre quando elas vão acontecer, ao invés de se vão acontecer."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.