Brasil pode ultrapassar US$ 160 bilhões em reservas

O Brasil pode ultrapassar os US$ 160 bilhões em reservas, valor atual da dívida externa pública e privada, afirmou o ministro da Fazenda Guido Mantega neste domingo, 15. "Não vejo nenhum inconveniente em ultrapassar US$ 160 bilhões; não há limite para acumulação de reservas, ela é feita de acordo com nossa necessidade de enxugar o mercado e pagar as nossas dívidas", disse Mantega, que estava em Washington participando da Reunião da Primavera do Fundo Monetário Internacional.Segundo Mantega, a maioria das economia que sofrem hoje com a valorização de sua moeda têm aumentado suas reservas. "Uma das medidas (para conter a valorização do real) é aumentar as reservas, enxugando os dólares excedentes que há na economia", disse o ministro da Fazenda. "Outra medida é o crescimento, pois à medida que a economia cresce, importa-se mais; isso já acontece no Brasil, o crescimento das importações é maior que a alta das exportações."Mantega aponta para o benefício do aumento das reservas, atualmente em cerca de US$ 110 bilhões. "Reservas tornam o país seguro; o país fica protegido de um ataque especulativo contra a moeda local", disse o ministro da Fazenda. "Quando se tem US$ 100 bilhões em reservas no bolso, os especuladores pensam duas vezes antes de fazer um ataque especulativo." Mantega admite que carregar altas reservas tem um custo, porque é necessário enxugar os reais da economia com emissão nde dívida pública, "mas vale a pena". O ministro da Fazenda comemorou as observações do FMI sobre a situação macroeconômica do Brasil. "O Fundo reconhece que o Brasil avançou muito nas questões econômicas e sociais; reconhece que o País está crescendo de forma sólida, que as contas públicas estão bem", disse Mantega. "Sempre fazem recomendações, como a de reduzir os gastos fiscais, mas o resultado é muito favorável para o Brasil."Mantega foi domingo para Nova York, onde participa de reuniões com o conselho das agências de classificação de risco Moody´s e Standard & Poor´s, eventos no Council of the Americas e uma reunião com investidores no hotel Waldorf Astoria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.