Brasil poderá retaliar EUA contra subsídio, diz Rodrigues

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Roberto Rodrigues enfatizou hoje, durante entrevista coletiva, que o País manterá a firme disposição de fazer com que os Estados Unidos cumpram a determinação da Organização Mundial do Comércio (OMC), que deu ao Brasil o direito de retaliar os norte-americanos por conta dos subsídios concedidos aos produtores de algodão naquele país. "O Brasil continuará lutando vigorosamente junto à OMC para que os Estados Unidos cumpram a determinação de reduzir o subsídios ao algodão", afirmou Rodrigues.As declarações do Ministro da Agricultura foram contrárias às afirmações do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan. Na semana passada, ele defendeu que o Brasil buscasse uma solução de consenso, a chamada "compensação econômica positiva", pela qual, ao invés de retaliações, o país buscaria a facilitação da entrada de produtos de alto interesse da economia brasileira no território americano. As declarações chegaram a provocar irritação em alguns dos maiores produtores de algodão do país.Decisão finalHoje, Rodrigues informou que conversou com o ministro do Desenvolvimento e que a estratégia a ser adotada pelo governo brasileiro será a briga pela redução dos subsídios, sob pena de que em caso de descumprimento, o Brasil discuta retaliações incluindo instrumentos de acesso a mercados para outros produtos brasileiros.O ministro da Agricultura considera remota a possibilidade de que os americanos não cumpram a decisão da OMC. Até porque, de acordo com ele, dentro de dois meses será realizada uma nova Rodada de Negociações, em Hong Kong, que estaria fadada ao fracasso se os americanos descumprissem a determinação da própria organização."Mas nessa hipótese (de descumprimento) vamos retaliar", afirmou. O ministro participou da coletiva de imprensa que avaliou os resultados da 2ª Conferência Mundial de Café, que terminou ontem, em Salvador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.