Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Brasil precisa de crédito e desonerações para crescer, diz Lula

Presidente afirma em seu programa de rádio que, 'com essas medidas, não é preciso fazer nenhuma mágica'

Reuters,

26 de outubro de 2009 | 09h15

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira, 26, que para o Brasil se tornar uma das maiores economias do mundo é necessário ter mais crédito e desonerar de impostos setores que necessitem. Com essas medidas, não é preciso fazer "nenhuma invenção e nenhuma mágica".

 

Veja também:

Mercado vê PIB maior este ano e inflação de 4,5% em 2010

especialUm ano após auge da crise, economia se recupera

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialDicionário da crise 

especialComo o mundo reage à crise 

 

Lula, no programa de rádio semanal "Café com o Presidente", mencionou estudo do Banco Mundial que prevê que o Brasil pode se tornar a quinta economia do mundo em 2016 se continuar crescendo.

 

"Nós precisamos fazer as coisas corretas, sabe, nós não temos que fazer nenhuma invenção e nenhuma mágica. Apenas ter consciência que nós precisamos ter mais crédito, que nós precisamos, na medida em que for necessário, um setor ter desoneração, temos que fazer desoneração, porque nós temos que incentivar o povo brasileiro a comprar aquilo que ele ainda não tem", disse Lula no programa de seis minutos.

 

Lula fez as afirmações ao comentar dados sobre o desemprego divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última semana. De acordo com o estudo, o desemprego caiu para 7,7 por cento em setembro, mesmo patamar de igual mês de 2008 e abaixo dos 8,1 por cento de agosto.

 

O presidente acredita que a economia está no caminho certo, pois a indústria, o comércio, o emprego e a massa salarial estão em ritmo de crescimento no Brasil e disse que o país precisa de vários anos consecutivos de aceleração para que possa recuperar "o atraso a que foi submetido".

 

"É uma roda gigante que não pode parar. Ela tem que continuar girando, para que a gente possa recuperar o atraso a que o Brasil foi submetido nas décadas em que ele não conseguiu se desenvolver", argumentou.

Tudo o que sabemos sobre:
BrasilcrescimentocréditoimpostosLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.