Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Brasil precisa de 'injeção de otimismo', diz Temer

Para o vice-presidente da República, palavra 'crise' é usada de forma indiscriminada e país vive 'reprogramação da economia'

Álvaro Campos e Ana Fernandes, O Estado de S. Paulo

24 Fevereiro 2016 | 10h21

SÃO PAULO - O vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB) afirmou há pouco que há uma visão demasiado pessimista sobre a situação do Brasil e que o País precisa de "certa injeção de otimismo". A declaração foi dada durante evento promovido pela revista Carta Capital em São Paulo. Em nenhum momento ele mencionou a decisão da Moody’s,nesta manhã, de rebaixar o rating do Brasil em dois graus.

“Eu tenho recebido investidores estrangeiros interessados em investir no Brasil. E o empresário investe em função do futuro, se (a perspectiva) não for saudável, ninguém fará investimentos”, comentou. Ele lembrou o programa de concessões em logística e disse que esses projetos também ajudam na geração de empregos. Na área de portos, cada milhão de tonelada processada no porto representa 300 novos empregos. Em 2015 houve 1 bilhão de toneladas processadas, então imagine quanto se mantém de emprego e quanto se pode desenvolver mais ainda nos próximos tempos”.

O vice-presidente ressaltou que o governo só consegue avançar se houver cooperação com a iniciativa privada. “Neste momento estamos em fase passageira de eliminação de empregos, mas a infraestrutura tem por objetivo a recuperação do emprego”, disse. 

Crise. Temer comentou que estabeleceu-se uma tese muito acentuada de que o Brasil está em crise, mas disse que essa palavra é usada de forma indiscriminada. “Ela tem gradações, pode ser uma crise administrativa, que se resolve com mudança de ministros, por exemplo. Pode ser política, que significa inexistência de apoio ao governo, que se resolve pelo diálogo com o Congresso. E pode ser econômica, que é um pouco mais dramática, e é resolvida pela integração do setor produtivo e governo”. Segundo ele, o Brasil passa por um momento de “ajustamento, reprogramação da economia”.

Temer lembrou que no Brasil a ideia de lucro ainda é ligada ao pecado, e é preciso eliminar esse preconceito. O vice-presidente lembrou que o povo agora deseja uma democracia da eficiência e minimizou os recentes protestos populares contra o governo. “Isso é da democracia”. 

Mais conteúdo sobre:
Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.