Estadão
Estadão

Brasil precisa mudar o cerne da política econômica se quiser ter um crescimento robusto

Para além da pandemia, há aspectos estritamente econômicos, que limitam o processo de retomada do País

Antonio Corrêa de Lacerda*, O Estado de S.Paulo

09 de junho de 2021 | 04h00

Os prognósticos para o crescimento da economia brasileira têm se alterado positivamente, a partir dos resultados da atividade no primeiro trimestre com crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,2%. Vários fatores corroboram a expectativa da retomada no ano. Por outro lado, há restrições para a dimensão, robustez e sustentabilidade do processo, como apontaremos a seguir.

O fator-chave determinante da recuperação econômica é a pandemia de covid-19. Não apenas as novas variantes do vírus, o que, por si só, já representa uma questão fundamental, há também o efeito do atraso e descaminhos do planejamento, execução e realização do programa de vacinação da população, inexistência de medidas preventivas como testagem em grande escala, correta comunicação e orientação quanto aos protocolos sanitários. A insuficiência dos programas compensatórios, como o auxílio emergencial, é outra variável relevante.

Mas, para além disso, há aspectos estritamente econômicos, que limitam o processo de retomada. O enfraquecimento do mercado de trabalho é evidenciado pelo número de pessoas subutilizadas, que atingiu o recorde de 33,2 milhões de pessoas. O dado contempla a soma dos desocupados, 14,8 milhões, desalentados, 6 milhões, e subocupados, 12,4 milhões, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente ao trimestre acumulado até fevereiro último.

Destaque-se que mesmo aqueles que permanecem ocupados têm tido o seu poder de compra corroído pela elevação da carestia, com maior impacto nos estratos de menor rendimento. A inflação tem sido maior em itens básicos de grande peso na cesta de consumo, como alimentação, combustíveis, gás de cozinha, energia e outras tarifas.

Adicionalmente, o crédito, importante item para o financiamento dos consumidores e das empresas, especialmente as de menor porte, continua caro e restritivo, apesar do nível historicamente baixo, para padrões brasileiros, da taxa básica de juros (Selic).

Todos os fatores apontados representam limitações para a expansão do consumo, que é decisivo para a retomada econômica e para estimular os investimentos, que respondem às expectativas de crescimento futuro da demanda e de rentabilidade. O elevado nível de ociosidade, presente em vários setores, como segmentos da indústria e serviços, da mesma forma é relevante. A crise hídrica e seus impactos para a geração energética é outra variável fundamental para monitorar o comportamento futuro da economia.

Estatisticamente, no entanto, como houve expressiva retração de 4,1% no PIB do ano passado, a retomada gradual das atividades em curso gera um efeito “arrasto”, que praticamente garantirá um resultado positivo para 2021.

Outro fator favorável é a melhora do desempenho de crescimento de grandes países, que tem impulsionado a demanda e, consequentemente, os preços das commodities, em prol do Brasil, importante exportador de minério de ferro, soja e outros grãos, carnes e petróleo bruto.

O desafio brasileiro é tornar o crescimento mais robusto e sustentável. Isso pressupõe ampliar a geração de valor agregado, a partir das vantagens competitivas locais, e elevar a criação de oportunidades de trabalho e renda para a população.

Isso requer uma mudança do cerne da política econômica, corrigindo importantes distorções, como tributação e competitividade, mas também maior ênfase nas medidas e estratégias para o desenvolvimento e inserção na economia mundial.

*PROFESSOR-DOUTOR, DIRETOR DA FEA-PUC-SP, PRESIDENTE DO CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA (COFECON), PUBLICOU, ENTRE OUTROS, “O MITO DA AUSTERIDADE” (EDITORA CONTRACORRENTE). WWW.ACLACERDA.COM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.