Brasil precisa seguir aberto ao investimento estrangeiro, diz Henrique Meirelles

Segundo ele, o Banco Central pode voltar a entrar no mercado para controlar a taxa de câmbio do real, assim como fez no ano passado 

Danielle Chaves, da Agência Estado,

26 de abril de 2010 | 12h35

O Brasil precisa estar aberto para o investimento estrangeiro e tem as ferramentas necessárias para controlar as consequências da entrada de fluxos muito forte, afirmou o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.

 

Meirelles disse que, embora não haja planos para controles de capital ou outras ações no momento, o banco central entrou no mercado no passado para controlar a taxa de câmbio do real e pode fazê-lo de novo. Meirelles acrescentou que as grandes reservas em moeda estrangeira do Brasil permitem que as autoridades "corrijam quaisquer desequilíbrios" de um "modo ordenado", se o regime de câmbio flutuante não fizer o trabalho corrigindo a si mesmo.

 

"Algumas vezes, se por alguma razão há excesso de fluxo de capital, o que poderia criar distorções (...) o banco central tem adquirido reservas internacionais" e pode "absorver excesso de liquidez no mercado". Por outro lado, o banco também pode acrescentar liquidez ao mercado, disse.

 

Meirelles também afirmou que impostos sobre investimento no mercado de capital é outra opção, mas acrescentou que planos para impostos adicionais não estão atualmente sendo discutidos. Por causa dessa ação de equilíbrio, Meirelles afirmou que o atual déficit em conta corrente do País "não é objeto de preocupação". Ele acrescentou que as contas também vão se equilibrar uma vez que o restante do mundo comece a se recuperar da crise econômica global.

 

Meirelles participou de uma conferência realizada em Nova York organizada pela Câmara Americana de Comércio. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.