Brasil preocupa Cruz Vermelha

A crise econômica no Brasil não está preocupando apenas os setores financeiros e investidores. Ontem, na sede da ONU em Genebra, a Cruz Vermelha afirmou que a turbulência no País e a desvalorização do real terão efeitos sociais importantes e que, apesar de ainda não ser equivalente ao caso argentino, a situação pode ter graves consequências humanitárias se os problemas não forem sanados. Na avaliação de Yves Giovannoni, chefe das Operações da Cruz Vermelha na América Latina, a situação no Brasil é "preocupante". "Os organismos financeiros internacionais, como Fundo Monetário Internacional (FMI), vão continuar tentando salvar o Brasil pois o País é importante para a arquitetura financeira mundial. Mas até quando será que isso ocorrerá", questiona o representante da Cruz Vermelha. Ele ressalta que a crise na Argentina não pode ser vista apenas sob o ângulo financeiro. "Trata-se de um desastre humanitário", afirmou Giovannoni, que lembra que, por algum tempo, muitas lojas não tinham produtos para vender e que, em algumas regiões, as pessoas não tinham dinheiro sequer para comprar alimentos. No início do ano, a Cruz Vermelha na Espanha coletou roupas e alimentos na Europa para enviar aos argentinos, uma situação inusitada para o país que já foi um dos maiores exportadores de produtos agrícolas do mundo. Durante os anos 40, eram os argentinos que enviavam embarcações com alimentos para ajudar a Espanha a se recuperar da guerra. A Cruz Vermelha ainda aponta que a crise ainda gera frustração social que pode ser traduzida em violência. "Isso pode voltar a ocorrer no Brasil", completou o representante de uma das entidades mais respeitadas no âmbito internacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.