Tiago Queiroz/Estadão - 20/7/2018
Tiago Queiroz/Estadão - 20/7/2018

Brasil quer acordo de livre-comércio com Indonésia e Vietnã

Negociação deve incluir redução de tributos e retirada de barreiras não-tarifárias, como exigências sanitárias; países-membros do Mercosul não podem negociar bilateralmente acordos sobre questões tarifárias com nações fora do bloco

Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2020 | 16h51

BRASÍLIA - O Brasil começará tratativas para a negociação de um acordo de livre-comércio com a Indonésia e o Vietnã. Em reunião na semana passada, a Câmara de Comércio Exterior (Camex) deu autorização para que o país inicie conversas junto aos demais membros do Mercosul para dar início às negociações com os dois países asiáticos.

O entendimento não pode ser negociado bilateralmente pelo Brasil, já que, pelas regras do Mercosul, um país-membro não pode assinar acordo com nações de fora do bloco envolvendo questões tarifárias.  

A avaliação no governo brasileiro é que o tamanho da população, a taxa de crescimento expressiva da economia e o aumento consistente do nível de renda per capita da Indonésia e do Vietnã representam oportunidades para o comércio exterior brasileiro. Além da redução de tributos, a negociação deve incluir também a retirada de barreiras não-tarifárias incidentes no comércio com os dois países, como exigências sanitárias e licenças burocráticas. 

A aprovação pela Camex do chamado “mandato negociador” é o primeiro passo para a abertura de tratativas formalmente. Com isso, o governo brasileiro cumpre os requisitos internos necessários e pode dar início a articulações com os demais sócios do Mercosul para delinear a estratégia de como avançar nos próximos passos da negociação comercial.

A Indonésia é a 4ª nação mais populosa do mundo, com mais de 270 milhões de habitantes e a 16ª maior economia mundial. Em 2019, o Brasil exportou US$ 1,71 bilhão e importou US$ 1,3 bilhão para o país. Já o Vietnã tem uma população de 95 milhões de habitantes e recebeu, no ano passado, US$ 2 bilhões em produtos brasileiros. As importações brasileiras com origem no país somaram US$ 2,5 bilhões.

Foram feitos estudos de impacto econômico-comercial que indicam potencial positivo para a economia brasileira em celebrar acordos de livre-comércio com os dois países parceiros. De acordo com as análises, é esperado com isso aumento do produto, do investimento, das exportações e das importações totais brasileiras.

A negociação de acordos comerciais é uma das estratégias da equipe de Paulo Guedes para abrir a economia brasileira. Estão em andamento negociações do Mercosul com o Canadá, Coreia do Sul, Líbano e Singapura, além de negociações bilaterais do Brasil com outros países em questões não-tarifárias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.