Brasil quer aproximar Grupo de Cairns e G-20, diz ministro

O Brasil tentará, durante encontro na Costa Rica, aproximar os países que integram o Grupo de Cairns e o G-20. "Os interesses entre os dois grupos são muito convergentes e tentaremos uma aproximação visando as negociações da Organização Mundial do Comércio (OMC)", afirmou o ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues. Ele viajará para a Costa Rica neste final de semana acompanhando de técnicos da área internacional do Ministério da Agricultura e de diplomatas do Itamaraty. O Grupo de Cairns é formado por importantes países exportadores agrícolas e o G-20 reúne as principais economias de vários continentes. O Brasil tem cadeira nos dois grupos. O ministro Rodrigues disse, no entanto, que o recente acordo comercial fechado entre os Estados Unidos e Austrália pode limitar um avanço das negociações. "O que ouviremos da Austrália na reunião da Costa Rica é muito importante para o futuro do grupo. Daí o meu interesse em trabalhar pela aproximação", completou. Apesar da aposta dos Estados Unidos em acordos bilaterais, Rodrigues disse que o Brasil "olha para outra direção, a dos acordos multilaterais". O ministro lembrou, no entanto, que não está otimista nem pessimista em relação a reunião da Costa Rica, pois o encontro será técnico e intermediário.Horizonte de aberturaCom a frustação das negociações para formação da Alca e das rodadas da OMC, o ministro Roberto Rodrigues aposta suas fichas num horizonte de abertura a partir das relações entre o Mercosul e a União Européia. O alargamento da União Européia e a reforma da Política Agrícola Comum (PAC) são fatores que permitem a flexibilização da negociação com a UE, ponderou. "A minha visão é que a flexibilização nas relações entre Mercosul e UE rebaterá nas negociações da OMC, o que refletirá na Alca. É um efeito dominó", afirmou. O ministro lembrou que a expectativa de avanço comercial na reunião da OMC em Cancún, realizada no mês de setembro do ano passado, foi uma frustação geral. "Essa frustação se consolidou em Miami e agora em Puebla pelo imobilismo dos países interessados na direção de um avanço comercial consistente", afirmou ele, referindo-se a recentes encontros comerciais para formação da Alca. Apesar do resultado negativo dos últimos encontros, Rodrigues disse que "volta a esperança de retomada das negociações da OMC". A afirmação do ministro foi feita com base em discursos recentes do representante comercial dos Estados Unidos, Robert Zoellick e do comissário de Comércio da União Européia (UE), Pascal Lamy.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.