Brasil quer copiar internacionalização de empresas ibéricas

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, disse nesta terça-feira à EFE que o governo quer seguir o exemplo da Espanha e de Portugal em matéria de internacionalização das empresas. "É de nosso interesse, e o modelo espanhol e português serve como uma boa orientação para as companhias", disse, após se reunir com o ministro da Economia português, Manuel Pinho.Furlan, que também se reuniu com o primeiro-ministro português, José Sócrates, deu como exemplo o setor bancário e de serviços da Espanha, que "tiveram um desenvolvimento fantástico nos últimos dez anos na área internacional".O ministro ressaltou que companhias regionais ou nacionais espanholas se transformaram em multinacionais com "papéis muito importantes em vários países".Furlan explicou que no Brasil há várias empresas com "potencial para seguir o caminho traçado pelas firmas ibéricas" e, por este motivo, querem conhecer o que Espanha e Portugal fizeram em "termos de legislação e apoio governamental". O ministro também falou nas reuniões sobre a próxima visita de Sócrates e Pinho ao Brasil, inicialmente prevista para início de agosto.Inauguração Furlan e Pinho inauguraram em Vialonga, nos arredores de Lisboa, um centro de distribuição de produtos brasileiros para a península Ibérica, que contou com um investimento de 280 mil euros e está destinado a fomentar as exportações rumo ao sul da Europa, ao Mediterrâneo e ao Oriente Médio."Com este centro, o acesso das pequenas e médias empresas brasileiras ao mercado europeu será facilitado e, ao mesmo tempo, crescerá o interesse das empresas brasileiras em investir no exterior", disse Furlan.Furlan afirmou que espera com sua visita melhorar a cooperação para fomentar os investimentos e o comércio entre empresas brasileiras em Portugal e vice-versa.O ministro explicou que Portugal tem interesse em abrir um centro logístico de distribuição de empresas portuguesas em São Paulo e que o Governo brasileiro apoiará esta iniciativa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.