Brasil quer mais comércio em moeda local no Mercosul

Proposta é apresentada nesta segunda-feira em reunião de ministros da economia em Montevidéu

Denise Chrispim Marin, enviada especial, Agencia Estado

07 de dezembro de 2009 | 12h29

O governo brasileiro apresentou nesta segunda-feira, 7, a seus sócios do Mercosul uma oferta de integração ao Sistema de Comércio em Moeda Local (SML).

 

Segundo Luiz Eduardo Melin, chefe de gabinete do ministro da Fazenda, Guido Mantega, o Brasil pretende ampliar este sistema com a inclusão de novos países como uma forma de estimular o comércio em um momento em que em nível internacional se mostra enfraquecido.

O SML funciona apenas entre Brasil e Argentina. A expectativa brasileira é que a inclusão do Uruguai se dê no primeiro semestre de 2010. A proposta brasileira foi apresentada durante a 38ª Reunião do Conselho do Mercado Comum, integrada pelos ministros da economia e comércio dos países do Mercosul.

Durante a reunião, o governo brasileiro apresentou também proposta de dinamização do convênio de crédito recíproco (CCR). A intenção é convocar os países que integram o convênio a fazerem estudos internos a partir de consultas aos usuários do CCR para identificar medidas que possam torná-lo mais atraente.

 

O resultado dessas consultas deverá ser analisado pela Associação Latino Americana de Integração (Aladi) para que as medidas sejam adotadas no mais curto prazo possível. Luiz Eduardo Melin disse que o CCR, que já completou 40 anos, precisaria passar por reforma.

Tudo o que sabemos sobre:
MercosulBrasilmoeda local

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.