Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Brasil quer mais tempo para decisão sobre FMI, diz Mantega

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, evitou nesta segunda-feira emitir uma posição sobre a candidatura do México à presidência do Fundo Monetário Internacional (FMI), e disse que o Brasil gostaria de ter mais tempo para deliberar sobre a sucessão.

REUTERS

23 de maio de 2011 | 13h47

O México já anunciou que irá apresentar formalmente o nome do presidente do seu banco central Augustín Carstens para suceder Dominique Strauss-Kahn no posto de diretor-gerente do FMI. Strauss-Kahn renunciou ao cargo após ser acusado de crime sexual em Nova York.

Uma fonte do governo brasileiro afirmou à Reuters que o país não pretende apoiar Carstens, por considerá-lo um candidato conservador e com chance quase nula de ser escolhido.

Mantega, por sua vez, indicou a jornalistas que o governo brasileiro estuda a "possibilidade de sugerir que esta indicação agora seja apenas provisória, para completar o mandato do Dominique Strauss-Kahn, que se daria no final de 2012".

O mandato tampão daria mais tempo aos candidatos à "sucessão propriamente dita" viajarem aos países-membros com maior peso no FMI e divulgarem suas propostas, segundo Mantega.

Outra alternativa, segundo o ministro, seria prorrogar o prazo para a escolha. A diretoria do FMI já disse que espera encerrar o processo de seleção para a sucessão até 30 de junho.

Na semana passada, Mantega havia encaminhado uma carta aberta aos demais países do G20 afirmando que as discussões sobre a sucessão no FMI deveriam levar em conta o mérito dos candidatos, e não suas nacionalidades.

"O que interessa não é a nacionalidade. É por isso que queremos superar aquele critério de nacionalidade", reiterou Mantega nesta segunda-feira. "O que diferencia um de outro é qual é a proposta que ele tem."

Por um acordo informal, a presidência do FMI é tradicionalmente ocupada por um europeu, enquanto a do Banco Mundial fica nas mãos dos Estados Unidos.

A ministra das Finanças da França, Christine Lagarde, é hoje considerada a candidata mais forte para substituir Strauss-Kahn, já tendo recebido o apoio de vários países.

(Reportagem de Isabel Versiani e Luciana Lopez)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROMANTEGAFMI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.