Brasil questiona na OMC barreiras de importações dos EUA

O Brasil irá questionar na Organização Mundial do Comércio (OMC) as barreiras às importações impostas pelos Estados Unidos não apenas ao setor agrícola nacional, mas também no setor industrial e de serviços na economia americana. A política comercial de Washington será avaliada pela OMC a partir de hoje e o Brasil aproveitará para deixar claro que não está de acordo com várias práticas adotadas pelos americanos. Apesar das queixas, o Itamaraty até hoje não fez valer o direito que recebeu da própria OMC para retaliar os Estados Unidos no caso dos subsídios ao algodão.A avaliação sobre os países ocorre periodicamente na OMC. No caso dos países em desenvolvimento, a sabatina é realizada a cada quatro anos, como no caso do Brasil. Já os países desenvolvidos são obrigados a passar pela rotina de questionamentos a cada dois anos. Neste ano, o processo que seria rotineiro em relação aos Estados Unidos ganha especial atenção diante das negociações da OMC que estão chegando em sua reta final e sem uma definição diante da falta de entendimento entre os países desenvolvidos e emergentes.O Brasil mostrará nesta reunião da OMC que não está contente com os vários programas existentes nos Estados Unidos de subsídios à agricultura. Uma crítica também que será feita pelo País é quanto ao aumento das tarifas conforme o produto apresente maior valor agregado dentro do setor agro-alimentar.Mas sendo um destino importante das exportações brasileiras de bens manufaturados, os Estados Unidos também receberão críticas quanto às barreiras que ainda aplicam contra certos produtos nacionais, como aço. O Brasil ainda promete em sua extensa lista de questões e críticas elaboradas por diferentes ministérios, incluir o setor de serviços e as dificuldades que empresas nacionais ainda encontram para atuar nos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.