Brasil recebe elogios por reação à crise global

A reação da América Latina à crise financeira global, com redução do crescimento, mas sem o colapso financeiro e cambial de diversos países, como ocorria no passado, foi um dos pontos de destaque no primeiro dia do Fórum Econômico Mundial no Rio de Janeiro. O Brasil, particularmente, foi saudado como um dos países relativamente bem preparados para retomar o crescimento, quando o pior da crise passar.

Agencia Estado

16 de abril de 2009 | 10h03

Tanto o presidente Luiz Inácio Lula da Silva quanto o presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, garantiram que o País, um dos últimos a sentir a crise, será também um dos primeiros a sair dela. "O Brasil vai crescer acima da média mundial", prometeu Meirelles.

Apesar disso, como frisou o presidente da Federação da Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, a projeção média do mercado para 2009 está em torno de queda de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. E, durante o primeiro dia do Fórum, que se encerra hoje, surgiram também pontos de preocupação quanto ao desempenho da América Latina, especialmente a má qualidade dos gastos públicos e a tentação do populismo.

O presidente Lula, referindo-se aos países em desenvolvimento e particularmente à América Latina, disse que "não criamos o problema (da crise global), mas somos parte da solução". No mesmo tom quase ufanista, Ricardo Vilella, executivo-chefe para a América Latina do Itaú Unibanco, foi além, afirmando que a região é uma "exportadora de estabilidade financeira" para o resto do mundo, com seus bancos bem capitalizados. "Não tivemos ativos podres?, acrescentou. O presidente da construtora Odebrecht, Marcelo Odebrecht, comentou que todos sofrem com a crise, "mas a doença não está aqui." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
crisefórum

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.