Brasil ressuscita indústria automotiva argentina

A Argentina ganhou, nos últimos meses, o equivalente à fábrica da Ford de São Bernardo do Campo (SP) só com a produção de automóveis transferidos das empresas brasileiras para abrir espaço à ampliação das linhas nacionais. Fiat, General Motors, Renault e Peugeot mandaram ao país vizinho cerca de 100 mil veículos antes feitos no País. A maior parte volta para abastecer o mercado local.O número será muito maior a partir de junho, quando a Volkswagen deve anunciar a transferência de parte da produção do Fox para a filial de Pacheco e a Fiat, de parte do Palio para Córdoba. Em janeiro, a Fiat iniciou a produção de versões do Siena na subsidiária argentina para operar com mais folga a linha do recém-lançado Punto na fábrica de Betim (MG).A Fiat vai produzir 50 mil unidades anuais do Siena em Pacheco. A linha de montagem estava desativada desde 2002 e a fábrica produzia apenas motores e transmissões. Nas próximas semanas, o presidente da montadora no Brasil, Cledorvino Belini, deve anunciar a transferência de parte da linha Palio, o segundo carro mais vendido no País, com cerca de 200 mil unidades ao ano. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.