Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Brasil se oporá a controle de preço de commodities no G-20

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, defendeu no G-20 a necessidade de alguma forma de regulação internacional para os preços das commodities

Regina Cardeal, da Agência Estadão ,

15 de fevereiro de 2011 | 13h03

O Brasil vai se opor a qualquer esforço do Grupo dos 20 (G-20) para adotar controles ou regulações sobre os preços internacionais das commodities, disse o ministro da Fazendo, Guido Mantega, em teleconferência com jornalistas.

"O Brasil é totalmente contra qualquer mecanismo para controlar ou regular os preços das commodities", disse. "De qualquer forma, os preços das commodities vão ceder naturalmente às forças do mercado", acrescentou Mantega.

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, sugeriu a necessidade de alguma forma de regulação internacional para os preços das commodities. Muitos preços de commodities importantes dispararam nos últimos meses, causando inflação dos alimentos em muitos países.

A França ocupa atualmente a presidência do G-20, cujos ministros das Finanças vão se reunir em Paris a partir de sexta-feira. O Brasil será representado por Mantega no encontro.

O ministro disse que o melhor meio para se assegurar preços acessíveis de alimentos, no longo prazo, é estimular o aumento da produção. "Uma forma de manter em baixa os preços das commodities seria encorajar uma produção maior nos países emergentes e pobres", disse Mantega. "Os países desenvolvidos poderiam ajudar este processo com investimentos."

Mantega acrescentou que os países desenvolvidos industrializados podem ajudar a promover uma produção maior das commodities "com a remoção das barreiras comerciais". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
G20commoditiesMantega

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.