Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Brasil se queixa do México por não importar carne

Para defender os exportadores catarinenses, o Brasil vai se queixar hoje na Organização Mundial do Comércio (OMC) contra as barreiras impostas pelo México às exportações de carne nacional. O problema central se refere ao fato de que os mexicanos não reconhecem Santa Catarina como um Estado livre da febre aftosa sem vacinação. Para o setor no Brasil, a abertura do mercado mexicano pode ser um primeiro passo para conseguir o acesso aos Estados Unidos. O Itamaraty ainda usará a reunião na OMC para tentar tranqüilizar os importadores e mostrar os avanços que vêm sendo feitos no controle de doenças no País.Um dos obstáculos, porém, é que governos de todo o mundo custam a retirar as barreiras que haviam imposto sobre o Brasil nos últimos anos diante dos surtos de aftosa e de outros problemas sanitários. No caso do México, a barreira afeta as exportações de carne suína, já que Santa Catarina é hoje o maior produtor desse tipo de alimentos. Em maio de 2007, Santa Catarina foi considerada área livre de febre aftosa sem vacinação pelo Comitê Internacional da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Esse status, em teoria, permitiria que o Brasil retomasse as vendas depois de um embargo ter sido imposto em 2005 por vários governos. Mais de um ano depois do reconhecimento do status do Estado, porém, os mexicanos continuam bloqueando as vendas. Para Pedro de Camargo Neto, presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), o México é hoje o quarto maior importador de carne suína no mundo e abertura do mercado seria fundamental para o País. Há três meses, o Brasil já interpelou o México na OMC. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

24 de junho de 2008 | 09h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.