Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Brasil segue com bom desempenho, diz Meirelles em NY

Em um momento em que os temores de recessão assombram a economia dos Estados Unidos, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, dedicou-se a mostrar a uma platéia de investidores e analistas, em Nova York, que o Brasil continua tendo bom desempenho, apesar da piora do ambiente externo. "Agora, estamos testando algumas crenças sobre a economia brasileira", afirmou ele, ao iniciar o evento.Meirelles destacou que a situação hoje é completamente diferente da década de 1990. "Naquela época, emergentes e, principalmente, países da America Latina, tinham fundamentos fiscais fracos e a inflação era aguda". Agora, acrescentou ele, "temos superávit primário, temos inflação convergindo para meta e superávit comercial". Segundo ele, a economia doméstica "está cada vez mais previsível e o País, pela primeira vez em décadas, desfruta dos benefícios da estabilização. Mesmo em uma situação externa muito ruim, o Brasil teria uma situação melhor que no passado". Mas o presidente do BC fez uma ressalva: " é preciso ter cuidado para que, no futuro próximo, não façamos erros do passado".DiversificaçãoPara respaldar a avaliação de que a situação do País é mais favorável hoje, o presidente do BC mostrou à platéia o que classificou como "esforço para diversificar exportações". A referência é claramente relacionada aos temores de que a economia dos EUA caia em recessão, já que analistas têm pontuado que os países com laços comerciais próximos aos EUA são os que mais vão sofrer se a recessão se confirmar.Dados apresentados no evento organizado pela Câmara de Comércio Brasil-EUA mostram que, em 2003, 23,2% das exportações do Brasil eram destinadas aos EUA. Em 2007, este porcentual já havia recuado para 15,8%. "(Os números) revelam o esforço (para diversificação)", afirmou.Segundo Meirelles, quando o ambiente externo estava bem, a economia brasileira ia muito bem. Com a piora do ambiente externo, acrescentou ele, o que acontece, apenas, é que a economia tem bom desempenho - ou seja, não houve deterioração. "A contribuição da demanda externa para o PIB tem sido negativa", emendou.Ele apresentou a uma platéia de investidores e analistas dados da economia doméstica nos últimos anos, como a trajetória de queda da relação dívida/PIB, de 56% em 2002 para 42% em 2007, e da construção de reservas internacionais, de cerca de US$ 30 bilhões em 2003 para mais de US$ 180 bilhões em 2008. O presidente do BC destacou que, enquanto as reservas eram acumuladas, o risco País recuava do nível de mais de 2.000 pontos-base em 2003 para menos de 300 pontos-base em 2007.

NALU FERNANDES, Agencia Estado

12 de fevereiro de 2008 | 13h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.